Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

amulherqueamalivros

Não sei escrever sobre a morte

Este texto foi escrito para o projecto #comcanela. O projecto consiste num texto com um tema aleatório todos os meses ao dia dez, às dez horas. Os participantes abordam o mesmo assunto e publicam os seus textos no mesmo dia/hora. #comcanela conta com os três participantes: O Informador e O Homem Certo e eu. Para participar é necessário usar a hastag #comcanela.

***

Lidei com a morte pela primeira vez com oito anos. Olhei para ela de cima a baixo e abanei a cabeça de modo a mostrar o meu descontentamento. Ela olhou-me nos olhos, sem pestanejar, mostrou-me quem manda, fez-me sentir medo. E desde aquele dia, permaneci com medo. Medo de cair e bater com a cabeça, de passar uma ponte e ela cair (por isso deixo sempre uma janela aberta para conseguir salvar-me), de um acidente de carro, comboio, autocarro, de ser assaltada e levar um tiro, de ser atropelada, de um sismo, uma bomba.

Olho para a minha família e tenho medo que alguém os leve. Por conhecer a dor, sei que não aguentaria tal facada do destino. Não saberia chorar tantas lárimas nem recuperar de novo. O tempo que levo a recuperar da batalha entre mim e a morte é demorada. Tem danos colaterais em tudo o que faço. 

Ter noção do tempo que me espera, faz-me sentir desesperada e irritada por saber que não terei as oportunidades que merecia. Por saber que não vou ter vida suficiente para ir atrás do quero ou sonho. Incomoda-me que os anos passem e não nos deixem viver duzentos anos, com saúde. 

Depois de ter sido mãe, a morte veio viver para uma nuvem mesmo em cima da minha cabeça. Eu sei que não vão entender esta relação entre mim e a morte (ou a vida onde sei que a morte chega). Eu sei que não consigo explicar muito bem, mas vem daí toda esta ansiedade, esta frustração. 

Já doeu mais. Só ao fim de vinte e tal anos é que aceitei a morte do meu pai. Antes, era culpada de todos os meus males. Da minha falta de sorte. Agora é culpada do medo que eu tenho em morrer. Porque, de tanto pensar na morte, por vezes, sinto-a muito muito perto. 

3 comentários

Comentar post

leitora beta * divulgação * literatura *

contacta-me para mais informações contactoclaudiaoliveira@gmail.com

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D