Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

amulherqueamalivros

OS LIVROS MAIS MARCANTES DA MINHA VIDA

IMG_20180424_150928_HDR.jpg

 

 

Os livros mais marcantes são aqueles que marcaram um período da minha vida. Não são necessariamente os meus preferidos da vida. Mas podem coincidir ligeiramente. Os livros mais marcantes mexeram tanto comigo, e apesar de não serem obras primas, acabaram por preencher as minhas artérias de sangue quente, emoções, dores de barriga e lágrimas. Até à data de hoje nunca mais saíram da minha cabeça. Podia ser uma lista interminável porque deixo-me envolver muito, mas fiz a devida seleção com cuidado, de forma muito representativa.

 

Vamos a uma lista dos livros mais marcantes da minha vida. Daqui a uns anos voltamos a falar.

 

Menina do Mar, Sophia de Mello Breyner

O meu professor de português fez-me amar este livro. Para além de ter sido muito importante para mim, fez-me representar a peça em Lisboa para várias escolas enquanto caraguejo. É uma história apaixonante que me fez amar o teatro e escrever uma peça que mais tarde a minha turma apresentou na escola. Levo esta memória comigo.

 

A História Interminável, Michael Ende

Descobri a fantasia com este livro. Lembro-me de ficar completamente fascinada e quase acreditar nesta história como real. Era muito pequena, lia livros da biblioteca e era a primeira vez que ouvia falar em dragões. Sério. Este é o livro que recomendo para quem quer começar a ler fantasia. É um bocadinho infantil para os adultos, mas mesmo assim arrisco recomendar a toda a gente.

 

O Mundo de Sofia, Jostein Gaarder

Fiz a transição de livros adolescentes para os livros adultos com este. É um livro de realismo mágico muito interessante que nos mete a pensar. E a desejar que algum coelho nos escreva cartas. Acho que sempre gostei de filosofia por causa deste livro. Chega a um ponto que é aborrecido, mas valeu a pena, foi o momento de viragem.

 

Diário de Anne Frank

Foi o primeiro livro perturbador que eu li. Lembro-me de ter ficado bastante emocionada e de alguma forma chocada. Desconhecia totalmente a história da segunda guerra, era muito nova.  Ler os relatos desta menina foi realmente assustador. Dor, sofrimento, juventude roubada, maldade dos humanos, mortes. Tu estás um meio pequeno, as pessoas parecem todas muito doces e boas, de repente dás de caras com um livro que mostra o pior do mundo. Marcante, muito marcante. O primeiro livro sobre a Segunda Guerra Mundial nunca se esquece. 

 

À Espera de Godot, Samuel Beckett

Este livro fez-me repensar a vida e transmitiu de forma certeira o sentido da vida. Tive uma epifania. Se já sentia a vida como curta para tudo o que queria fazer, este livro sacudiu-me de tal forma que ainda está muito presente em mim. Li-o há cerca de seis anos. Adorava ver esta obra no teatro. Para além, quem conhece este blog desde o inicio sabe que tenho uma história de vergonha alheia devido a este título. 

 

A Mulher CertaSándor Márai

Estava a começar o namoro com o meu atual marido quando peguei neste livro. Envolvi-me de tal forma com a escrita deste autor que acabei por comprar mais livros dele. É de uma sensibilidade incrível. As personagens são muito credíveis e interessantes. Imaginem uma pessoa apaixonada, no meio de um triângulo amoroso a ler sobre outro triângulo amoroso. Apesar do contexto social ser completamente diferente, senti algumas palavras como minhas. Acredito que os livros nos escolhem e que ler o livro certo no momento certo fará do livro uma experiência impressionante. Para além disso, um dia peguei no livro e tinha um bilhete apaixonado dentro dele. Este livro marcou-me imenso como podem perceber. Até deu origem ao nome de um blogue que tive em tempos.

 

Sangue Frio, Truman Capote

Imaginem uma mulher grávida a ler sobre o assassinato de uma família inteira de forma horrenda. Imaginem uma escrita crua e perspicaz. Imaginem todos os detalhes de forma muito realista e envolvente. Lembro-me de morrer de medo de estar sozinha em casa. Vivia numa casa com acesso à rua pela varanda. Ainda hoje sinto os efeitos deste livro.

 

Todos os livros da Elena Ferrante

Estes livros representam-me. Primeiro, a forma como falam na maternidade é a forma como eu vejo a maternidade. A forma como Elena Ferrante coloca uma mulher mais velha a falar sobe os seus filhos, que cresceram e passaram a ser do mundo, é a forma cruel de nos mostrar que os nossos filhos podem ser muito injustos perante o cansaço de uma mãe. As personagens Lila e Lena são de factos muito parecidas comigo. Cresceram num lugar pequeno com sonhos grandes, tal como eu.  A relação delas com a professora, com a mãe, com os rapazes, uma com a outra. Para mim uma história novelesca muito próxima da minha verdade. Se calhar, não é tão novela assim. Se calhar os outros só não tiveram uma vida tão entusiasmante. Sou eu ali. E não existem livros que sejam mais eu do que tudo o que a Ferrante escreveu. Acho que seria doloroso regressar a estes livros, mas vontade não me falta.

 

Um Quarto Só Para Si, Virgínia Woolf

Este livro deixou-me de boca aberta. Foi como abrir a porta para um mundo novo. Para uma forma de ver a vida que eu conhecia, mas ao mesmo pensava que só eu pensava assim. Foi sentir-me abraçada por um amiga. Um sossego no coração. Estás no bom caminho, disse-me a Virgínia Woolf e quando o fez foi no momento certo. Obrigada. Foi o livro que me proporcionou a liberdade que eu precisava para defender os meus ideais. 

 

O Clube dos Poetas Mortos, NH Kleinbaum

Provavelmente será o livro mais curto desta lista. E talvez o menos conhecido. Todos se lembram do filme, mas raramente ouviu falar no livro. Certo? Se viste o filme, não esperes uma cópia quando pegares neste livro. Não é. Mas a mensagem está toda ali, as personagens e as dúvidas que carregam também. Chorei muito com ele. Li quando estava grávida e uma pessoa fica sensível ao quadrado, mas principalmente porque me atingiu em cheio. Bolas, vou ser mãe, não somos eternos e a juventude é um fósforo. Lembro-me de fechar o livro, sair da cama e ir até à esplanada conversar com os meus amigos que bebiam felizes. De barriga grande, mas fui. Hoje tenho um clube literário com um nome influenciado neste livro. 

 

 

Teria mais títulos para indicar nesta lista. Não sei conter o entusiasmo. Mesmo quando uma pessoa pensa que perdeu o entusiasmo ou sente um distanciamento qualquer, os livros recordam-me que estão aqui, tudo não passa de uma história passageira. Ainda hoje, uma pessoa me dizia "Cláudia, ontem foi o seu dia". Ainda pensei que a rádio tinha declarado o dia de ontem como sendo o dia da Cláudia, mas não. "Sim! Foi o Dia do Livro!". E lá vem o meu sorriso. E o calor. E o feriado. E tudo fica bem. Se calhar, isto é mesmo o meu propósito. 

 

 goodreads twitter instagram facebook

#2

10 FACTOS SOBRE JANE EYRE, DE CHARLOTTE BRONTË | 1001 LISTAS LITERÁRIAS

IMG_20180308_135638_HDR.jpg

 

 

1 - “Jane Eyre” foi editado sob o pseudónimo Currer Bell. Devido ao imenso sucesso do livro, Charlotte Brontë sentiu necessidade de revelar a sua verdadeira identidade.

 

2- Algumas biografias e edições referem esta história como autobiográfica. 

 

3 - O romance foi publicado em 1847 em três volumes na cidade de Londres.

 

4 - Charlotte Brontë foi considerada uma escritora revolucionária por implementar na ficção elementos do domínio da poesia.

 

5 - É um romance de formação narrado na primeira pessoa, ou seja, conta a história de uma personagem da infância à vida adulta. 

 

6 - A protagonista é feia, e faz diversas referências à sua aparência. Ao contrário da maior parte das protagonistas dos romances vitorianos ela não é bonita e esbelta, nem procura um casamento. 

 

7 - A critica deste livro envolve os costumes de 1800. Mostra como as mulheres não se conformavam com o facto de viverem apenas para a maternidade e tarefas domésticas. 

 

8 - A emancipação da mulher é um grandes temas abordados neste romance. A autora defende a importância dos estudos assim como o poder de decisão das mulheres nas próprias vidas. 

 

9 - Mr Rochester é um herói byroniano ( o precursor do anti-herói), ou seja, é uma personagem que se desvia dos padrões morais: é inteligente, tem tendências sedutoras, é arrogante, autocrítico nem aspira grande simpatia por parte dos leitores. Ele é o dono da casa para onde Jane Eyre vai trabalhar. 

 

10 - Existem seis filmes adaptados e três séries. A mais antiga é de 1934 e a mais recente é de 2011 (com uma indicação no Oscar).  A mini série de 2006 é a mais bem avaliada no IMdB com 8.4.

 

 goodreads twitter instagram facebook

#1

leitora beta * divulgação * literatura *

contacta-me para mais informações contactoclaudiaoliveira@gmail.com

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D