Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

amulherqueamalivros

11 COISAS QUE APRENDI COM UM BLOG/CANAL LITERÁRIO

IMG_20180103_135047_HDR.jpg

 

Já lá vão alguns anos nestas andanças. Desde 2003 que mantenho blogues na minha vida. Sempre tive diário. Quando surgiram os primeiros blogues tive de criar um. Ter feedback dos meus escritos? Maravilha. 

 

Nos primeiros anos criei verdadeiros laços, fiz amizades, conheci pessoas do Norte. Até escrevi um livro a quatro mãos. Brincava, não tinha filtros e era tudo muito divertido. Desde essa altura tive mais de vinte blogues. Juro. Mas isso acabou. Estou mais do que satisfeita com este blog.

 

Se sinto saudades de expandir a criatividade com outros textos? Sim. E isso vai mudar brevemente. Aprendi bastante ao longo dos anos com as partilhas literárias.  Alguns pontos vão ser desmitificados. Tudo num tom carinhoso e sem opressões.

 

Se estás a pensar criar um blog/canal literário este texto é para ti.

 

Respeitar opiniões diferentes

No inicio ficava aborrecida quando encontrava opiniões negativas posteriores à minha. Sem lógica, né? As experiências de leitura são muito pessoais e os gostos particulares. Para além disso, a nossa caminhada literária é muito diferente. Talvez ainda fique triste com pessoas que dizem “Saramago não sabe escrever” sem terem lido um parágrafo. Dizer “não gosto” é diferente de “não sabe escrever”. São os argumentos que fazem a opinião de livro. E ninguém é dono da verdade absoluta. Agora quando leio opiniões negativas reparo nos argumentos e sorrio. Uma coisa é a opinião, outra é o valor da obra. Que bom! A literatura mexe com todos de forma tão diferente.

 

Não tenho preconceitos literários

Leio de tudo. Livros de autoajuda, YA, fantasia, poesia. Deixei de sofrer preconceito literário há uns anos com ajuda de um dos meus canais literários preferidos, Cabine Literária. Desapareceu, né? Agora sigo a Tatiana, ex colaborada do Cabine, que faz o mesmo no seu canal com o Guto. Eu não imponho regras a mim mesma e raramente julgo um livro pelo seu género. Talvez um bocadinho pela capa. Só tenho um pequeno problema com os livros do Pedro Chagas, mas experimentei, para dizer que não são de facto a minha onda. Assim como os livros do 50 Sombras. Os limites não trazem vantagens para o crescimento pessoal. Claro que tenho o meu gosto particular, sei o que me agrada à partida, mas não é por isso que rejeito uma história. Fui surpreendida várias vezes por ter largado a mochila do preconceito.

 

É tão bom conhecer as pessoas dos livros

Claro que já tive algumas experiências menos positivas. Conheci algumas pessoas que não corresponderam de todo ao que imaginava. Deve ter acontecido ao contrário também. Algumas energias não se conectam e eu tenho um sexto sentido que raramente me engana. Ao longo destes anos, nunca imaginei conhecer tantas pessoas que gostam de ler. Achava impossível falar de livros com os outros, ter um clube literário. E ao contrário do que receava, é maravilhoso. Os encontros do Clube dos Clássicos Vivos têm superado todas as minhas expetativas.

 

A mesma pergunta de sempre

Recebo várias vezes por semana a mesma pergunta de sempre, “como é que lês tanto?”. As pessoas desconfiam porque não conseguem. Esquecem-se que eu leio há muitos anos, todos os dias e que ganhei um ritmo mais rápido. Mas eu respeito sempre o ritmo da obra. Nunca combato isso. Também conheço quem leia mais rápido do que eu, a Sónia lê muito mais rápido e nunca duvidei dela. Eu leio muito, raramente vejo séries de enfiada e priorizo a leitura. Ao contrário do que possam pensar eu tenho vida para além dos livros, mas a minha vida também é a literatura.

 

Não sou influenciada por opiniões alheias

No inicio a minha opinião sofria influência do que lia, via e escutava. Ao longo dos tempos, passei a controlar os meus impulsos em relação às minhas compras. As expetativas aumentavam com opiniões alheias, mas acabava desiludida em várias situações. Também deixava de comprar alguns livros ou adiar leituras devido a opiniões muito negativas. Esquece, depois acabavam por ser grandes surpresas e transformavam-se nas minhas leituras preferidas. Não sofro mais com isso. Leio por conta própria e risco, não compro livros atrás de livros influenciada em vídeos alheios. E tanto faz as prateiras bonitas dos vizinhos. Sou mais cautelosa, oiço o meu instinto. Continuo a escutar a opinião de algumas pessoas (é essa a magia dos blogues/canais literários), mas dou preferência às pessoas com os mesmos gostos. Passei a ficar menos frustrada. A ler mais de acordo com o meu momento enquanto leitora.

 

Muitos projetos e desafios

Isto acaba por ser uma comunidade. Surgem desafios e projetos mensalmente por todo o lado. Eu também criei os meus desafios e projetos, e participo sempre nos que mais gosto. Acabamos por aumentar a lista de desejos, trocar impressões. É muito bom. Existem blogues e canais literários para todos os gostos.

 

Está tudo bem

Existem momentos sem vontade de ler? Está tudo bem. O stress que algumas pessoas colocam em cima delas é tão desnecessário que acaba por prejudicar a experiência de leitura. Tantos vídeos sobre “não consigo ler”, como se ler fosse uma obrigação. Tive um momento em que senti isso. Quando comecei com as parcerias sentia-me pressionada para responder a todas. Culpa minha, porque nunca ninguém me pressionou a nada. Com o decorrer dos dias percebi que precisava de acalmar a alma. Leio o que quero, quando quero. E se tiver que escrever uma opinião negativa vou escrever, desde que tenha argumentos para isso. Está tudo bem. Não vale a pena colocar peso nas costas em algo que deve ser agradável. Sobretudo porque em Portugal são raros os casos pagos dentro da comunidade do booktube (fora dele são vários) para fazer publicidade. Nesse caso, a pressão é outra.

 

Sem mestres, por favor

Ninguém é um mestre das opiniões literárias em Portugal. Seja uma plataforma (youtube ou blogues) ou uma pessoa. Simplesmente existem pessoas que nos podem agradar mais do que outras. Seja pelo tom de voz, pela forma detalhada como escrevem ou pelos textos objetivos. Há gostos para tudo. Nunca te sintas receosa de começar um canal ou um blog porque nunca vais conseguir fazer isto ou aquilo. Não há formulas perfeitas para partilhar o amor pelos livros (exceto na cabeça de algumas pessoas). E aqui ninguém é critico literário. Somos amadores. Menos ego, please. Todas recebemos mensagens do tipo “li/comprei este livro por causa de ti”. E quando não recebemos, pode acontecer em silêncio.

 

Vão pedir contactos

Acho tão chato quando alguém me pede um contacto de editora para obter o livro X, sobretudo quando nem sequer faz da leitura um hábito. Pior quando nem um “olá”. Gosto de ajudar, e já dei algumas informações úteis porque achei que devia dar. Não me importo de partilhar, mas por favor, há limites.

 

Somos o único nicho que não é pago para fazer divulgação

Este ponto vai trazer-me alguns dissabores, mas alguém tem de falar sobre isto. Recebemos um livro, lemos e é essa a parceria entre as editoras e os bloggers. Já repararam nisso? Os outros nichos são pagos para publicar fotos, instastories e gravar vídeos. E nós? Nada. Mas eu conheço casos em que bloggers de moda são pagas para divulgar livros. Pois é. No resto do mundo, os booktubers com mais visibilidade são pagos. Talvez um dia a realidade em Portugal mude.

 

Não dá para viver dos blogues literários

Esqueçam. Podes criar produtos ou serviços ligados aos livros, mas vais precisar de trabalhar muito para isso. Só comecei a ganhar dinheiro o ano passado e ainda ando na luta todos os dias. Tivesse eu ficado pelos blogues de má língua, continuava a receber telemóveis ou bilhetes de espetáculos. Quando comecei este blog meu objetivo nunca foi esse, mas as oportunidades surgiram e eu aproveitei. Faço alguns trabalhos ligados à literatura e sou remunerada. Justo, não é? No entanto, está longe de ser algo consistente. Tenho muito trabalho pela frente.

 

 

TAG | MARÇO FEMININO

InstaFit_20180328_17531382.jpg

 

 

Deixei para o final do mês porque tinha a certeza que teria novas sugestões após as leituras dedicadas ao Março Feminino. Não gosto de me repetir, talvez por isso evite responder a TAGs, mas esta é diferente. É criativa, tem conteúdo, para além disso foi criada pela Sandra, do Say Hello To My Books. Adoro.

 

Tentei escolher livros pouco falados por aqui, tentei não repetir algumas respostas dadas por mim e por outras bloggers, mas foi difícil (não é Alexandra? algumas respostas dela, podiam ser as minhas, é a blogger com quem mais me identifico a nível dos gostos literários).

 

Que todos os anos se celebre o Março Feminino, que sejam lidas muitas mulheres e partilhadas várias sugestões! 

 

1. Aqueles dias do mês - Um livro que os homens nunca vão perceber.

 

“Um Quarto Só Para Si”, Virgínia Woolf

Acredito que todos os leitores conseguem entender a mensagem deste livro. Este livro ou qualquer outro. Aliás, preferia que alguns homens lessem este livro para descortinar algumas questões ligadas à luta pela desigualdade de género. Um quarto só para si é um grito sufocado, em nome de todas as mulheres, pela sociedade que insistia em colocar as mulheres num papel ingrato e os homens num lugar dominante. Para escrever, as mulheres precisavam de um quarto só para si, e romper com diversos preconceitos. Este livro é o primeiro passo, dado pela Virgínia Woolf, em colocar os pontos nos is sobre as necessidades criativas das mulheres, e transmitir uma mensagem que as mulheres para além de entenderem, sentem.

 

2. Filha da mãe da depilação - Um livro que te arrepia só de pensar.

 

“Vozes de Chernobyl”, Svetlana Alexievich

Estava indecisa. Vários livros contam episódios da história mundial com foco no sofrimento, maus tratos ou violência. Tantas opções podiam estar nesta resposta. Decidi escolher um livro que aborda o desastre nuclear em Cherbonyl, por ser pouco comentado. Milhares de mortes, idosos que tiveram de abandonar os seus lares, grávidas que deram à luz crianças deformadas tal o impacto das radiações da explosão. Foi o primeiro livro que li da autora e me levou às lágrimas.

 

3. Aquele batom vermelho que dá um up a qualquer look - Um livro que te pôs bem-disposta/o num dia cinzento 

 

“Mulheres”, Carol Rossetti

É um trabalho magnifico por parte da Carol Rossetti. Um livro que vou oferecer à minha filha, às minhas irmãs e amigas. Um livro que traz todo um espírito descomplicado. Podemos amar o nosso corpo como é, podemos amar quem quisermos e ser como e o que quisermos. Li o livro durante o projeto mais fantástico deste mês, Março Feminino (que por acaso é da autora desta TAG).

 

Extra

“Não Sou Esse Tipo de Miúda”, Lena Dunham

Este livro foi escrito pela criadora, produtora e protagonista da série Girls. Numa abordagem muito divertida, este livro traz reflexões de quem está a crescer e encontra o fantástico mundo dos adultos. Sem filtro, num mundo particular e feminino, este livro não sendo uma grande obra está muito perto de uma conversa com a melhor amiga. Dá aquele ânimo em dias mais chatos.

 

 4. Cérebro Feminino - Um livro que parecia confuso, mas acabou por fazer muito sentido.

 

“Beloved”, Toni Morrison

A escrita intrincada e os temas abordados não permitiram uma leitura fluida. Nada me preparou para este livro. Precisei abrandar o ritmo, ficar em silêncio absoluto para absorver a sua escrita e a mensagem. Livro cruel sobre o racismo escrito de uma forma muito visceral. Numa realidade completamente diferente da minha, este livro foi confuso e pediu muita dedicação. No entanto, valeu totalmente o esforço. Leiam. Preciso de ler o outro livro da autora que tenho na estante.

 

 

5. "Mulheres não percebem de futebol, nem gostam de cerveja" - Um livro que vomita clichés. 

 

“Um Final Feliz”, Annie Darling

Uma mulher com um sonho, recuperar uma livraria em falência. Um homem que se acha o mais bonito e simpático. Não é, é só arrogante. Uma paixão entre os dois. Personagens estereotipados, situações muito comuns de uma comédia romântica. O título diz tudo. Leve, para dias de praia. Salvou-se, no meio dos clichés, a dedicação e o amor da protagonista pelos livros.

 

6. Mini-saia - Um livro curto, mas bom. 

Karen”, Ana Teresa Pereira

 Conheci a escrita da autora o ano passado e fiquei muito curiosa com este título. Recomendo para um primeiro contacto com os livros da escritora. Tem os elementos necessários para uma história muito cativante. Uma mulher com perda de memória após um acidente, acorda numa casa desconhecida. Um suposto namorado que está ansioso pelo aniversário dela devido a uma herança. Uma empregada muito suspeita. Uma cascata como pano de fundo do acidente. Como termina esta história? Será que ela perdeu mesmo a memória? Leiam. Vale a pena. Sobretudo se gostam da história do clássico “Rebecca”, Daphne du Maurier.

 

7. Bolsa de Mulher - Um livro com muita coisa dentro, que te provocou várias emoções. 

 

Tetralogia, de Elena Ferrante (todos os seus livros)

A série está quase a chegar, a historia é incrível e provoca várias emoções devido à complexidade das personagens. São muito reais, dentro dos defeitos, escolhas e emoções. A história de Lila e Lena é talvez a minha preferida no mundo inteiro. Aquela em que penso várias vezes. Aquela que gosto de recomendar a toda a gente, com um pedacinho de inveja porque vão começar e eu já terminei. Ferrante escreveu sobre mim, sem saber. Muito grata. Até fico com um brilho nos olhos de me lembrar e vontade de reler.

 

8. Mrs. Always Right - Como as mulheres têm sempre razão, escolhe um livro que aconselhas a toda a gente.

 

Rebecca, Daphne Du Maurier

Este livro foi tão impactante para mim que fico em pulgas para saber a opinião dos outros quando o começam a ler. É um clássico, não é enfadonho e tem descrições belíssimas assim como uma história que prende do inicio ao fim. Não deu para largar sem chegar ao fim. Não dá para ficar indiferente à qualidade de escrita desta mulher.

 

9. Mas porque é que tenho que gostar de cor-de-rosa? - Um livro que toda a gente gosta, menos tu!

 

“A Rapariga no Comboio”, Paula Hawkins

Foi difícil de encontrar um livro muito apreciado que me tenha desiludido, mas assim que bati os olhos neste livro dei como encerrada a resposta. Este livro ainda é usado como referência para os thrillers publicados depois. Ganhou adaptação cinematográfica. Um livro campeão de vendas. No entanto, achei pouco surpreendente. Adivinhei o assassino nos primeiros capítulos e não o acho merecedor de tanta popularidade.

 

10. Sutiã nosso de cada dia - Um livro que te incomodou ou um livro que foi um alívio chegar ao fim.

 

A Casa com Alpendre de Vidro Cego, Herbjorg Wassmo

Um romance do ponto de vista de uma criança abusada sexualmente de um tio. É o assunto mais difícil, contado de forma muito sensível e intensa. Tenho pena que a continuação não tenha saído como estava prometido. É por essas e por outras que não gosto de começar uma série sem os outros livros publicados. Esta autora nasceu na Noruega, é pouco conhecida por cá, mas já tem vários títulos publicados. Adorava ler mais livros dela.

 

 

11. Ir à manicure - Toda uma curiosidade sobre um livro que anda na boca do povo, mas ainda não leste. 

 

Histórias de Adormecer para Raparigas Rebeldes 2, Elena Favilli

Preciso de ler este livro! A edição é maravilhosa, a mensagem é poderosa. Tem tudo para me agradar. Já repararam que anda por aí uma vaga de livros dedicados a mulheres. E ainda bem. Podem vir mais.

 

12. Fitas e lacinhos - O livro mais girly que já leste.

 

"O Meu Livro de Estilo", Gabriela Pinheiro

O livro é escrito de uma forma muito divertida, num tom muito próximo de uma conversa entre duas amigas. Cheio de imagens lindas e conselhos muito úteis na hora de transformar o nosso estilo ou guarda-roupa. A Gabriela Pinheiro defende que "não deves usar tudo só porque é moda". Deve existir uma selecção da nossa parte e amigos sinceros por perto. 

 

 13. Girl Power - Uma autora que é uma mulher do caraças. Explica porquê. 

 

Emma Reyes

Esta mulher passou por várias dificuldades. Pego nelas, embrulhou-as em veludo e fez da sua história uma história de sucesso. Pintora colombiana, marcada por uma vida intensa e sem apoio familiar. Há algo mais inspirador do que histórias de empoderamento? Quando li o seu livro de memórias fiquei a admirar o seu trajeto e força. 

 

14. Mulheres nos livros - Indica três livros com personagens femininas fortes.

 

A minha vontade era responder a esta TAG com títulos escritos por mulheres, mas foi aniquilada com esta questão. Vou escolher todos os livros de George RR Martin. Para mim, mulheres fortes na literatura estão o mais perto da realidade possível. Têm qualidades e defeitos. Agem por impulso ou de acordo com os seus princípios. Fogem ao conveniente, rompem com preconceitos e lutam pelos seus interesses. Posto isto, temos um leme absolutamente genial criado pelo autor mais demorado de sempre. Sansa, Arya, Dany, Cersei, é apenas uma amostra. São sete livros em português.

 

15. Mulheres nos filmes - Indica três filmes com personagens femininas fortes. 

 

Mustang

Se me pedirem uma única recomendação é este que vou indicar. Por ser o meu preferido de sempre (este e mais uma mão cheia). Por ser poderoso e representar a realidade de muitas mulheres por este mundo fora. Motivos para veres este filme? A temática, beleza, representação, fotografia, tudo. Adorei todas as meninas, sobretudo a mais nova. Pequena heroína. Linda, fofa. Não quero contar nada sobre o filme, perde a piada toda.

 

Black Panther

Minha nossa, as mulheres deste filme são o melhor deste filme. Filme carismático com questões importantes e mensagens fulcrais numa sociedade machista e racista. Não via um filme de super-heróis tão bom desde o último do Batman. Sério! Obrigatório!

 

Hidden Figures

As mulheres podem ser cientistas, podem fazer calculas mega difíceis. Podem pertencer a um grupo de trabalho liderado por homens e fazerem a diferença. Este filme é necessário.  Fico mesmo contente que exista. Ri e chorei muito. Não podem perder.

 

Extra

As Serviçais

Outro filme preferido da vida. Nunca li o livro, mas o filme é espetacular. Uma história sobre o racismo, com momentos de humor. Mulheres corajosas, curiosas, com princípios vincados e movimentos transformadores. Um retrato americano da década de 60 que vale cada segundo.

 

 

 

A IMPORTÂNCIA DE UM BETA READER NA HORA DE ESCREVER UM LIVRO

IMG_20180131_120553.png

 

O que é um Beta Reader/ Leitora Beta?

É a primeira pessoa a ter contato com a tua obra/texto. Será a primeira pessoa a criar uma opinião crítica em relação ao teu livro. Pode acontecer durante o processo de escrita ou quando a obra está concluída. Todos podem construir uma opinião crítica em relação ao teu texto, no entanto um Beta Reader tem qualidades indispensáveis para avaliar o teu trabalho. Não sendo um corretor ortográfico é alguém que pode ajudar-te imenso. O foco dele é a opinião literária. Ele avalia o enredo, as personagens, os diálogos, a estrutura do texto, a criatividade, o desenvolvimento e a profundidade. Vai ao detalhe de todo o processo criativo. Fará um apanhado de tudo o que é necessário para melhorar o teu trabalho. Uma Leitora Beta é essencial para atingir a excelência.

 

Nada define a forma como o Beta Reader apresenta os resultados ao escritor. Cada Beta Reader tem a sua forma de trabalhar de acordo com a sua experiência. Necessita de ser acordado entre o leitor beta e o escritor antes de avançarem para a análise do texto, adaptado de acordo com as necessidades do escritor.

 

Um Beta é essencial para o escritor estar preparado para receber críticas sobre o seu texto. Mais tarde ou cedo isso vai acontecer, não é verdade? Se estiveres a escrever um livro e sentires necessidade de encontrar a voz narrativa ou precisares de alguma opinião imparcial procura um Beta Reader.

 

Para o teu trabalho como escritor não ficar comprometido de nenhuma forma o Beta Reader precisa de algumas qualidades indispensáveis. Na hora de escolhereres a primeira pessoa para entregares o texto precisas de ter em conta alguns pontos. Ele vai ajudar a lapidar o texto antes do restante processo para (auto) publicação. Precisas de ter cuidado e ser seletivo na hora de escolher o seu Leitor Beta. É o teu trabalho e dedicação entregue nas mãos de outra pessoa.

 

Quais são as qualidades de um Beta Reader/ Leitora Beta?

 

Confiável

Precisa de ser alguém em quem confies. Saibas à partida que não vai usar o teu texto de forma leviana ou divulgar o teu trabalho sem o teu conhecimento. Precisas de estar descansado para enviar o teu texto e ter uma relação baseada em confiança para trabalharem em conjunto.

 

 

Imparcialidade

Para teres uma opinião sincera precisas de alguém imparcial a ler o teu texto. Precisas que o Beta Reader não tenha receio de transmitir a sua opinião e dizer-te tudo o que pensa sobre o teu trabalho. A imparcialidade é bastante importante no trabalho de um Beta Reader para o resultado final ser o mais satisfatório possível. A imparcialidade constrói uma opinião sincera e atinge melhores resultados.

 

Experiência

Para um Beta Reader adquirir mais experiência necessita de muito contato com textos e processos criativos. Os conhecimentos adquiridos partem de muita leitura e uma visão critica. É alguém que lê bastante, conhece a estrutura de um romance assim como as qualidades de um bom desempenho criativo.

 

Disponibilidade

O processo criativo é alguém que requer tempo e dedicação. Para um resultado melhor o Beta Reader precisa de estar disponível para o escritor sempre que necessário. Tem de ser uma pessoa organizada e preparada para formar uma visão crítica sobre todo o texto. Tem de ter tempo para esmiuçar cada detalhe do texto apresentado.

 

 

 

Sou leitora desde os oito anos, tenho um canal literário dedicado à literatura desde agosto de 2012 e um blog com a mesma temática desde 2013. Sou Beta Reader desde o ano passado como freelancer. Resultante de vários pedidos por parte de aspirantes a escritor senti necessidade de dedicar parte da minha vida a esta tarefa ajudando assim vários criadores.

 

Antes de avançar com a prestação de serviços no âmbito da leitura beta realizava esta tarefa por passatempo há cerca de cinco anos. O ano passado precisei de tomar algumas medidas para conseguir dar resposta a todos os pedidos.

 

Tem sido um trabalho muito gratificante e de muita aprendizagem. Tenho tido contacto com escritores dentro de vários géneros literários com muita qualidade. Fico satisfeita por ver que a escrita em Portugal está bem de saúde e recomenda-se. 

 

Concilio o trabalho como leitora beta com o meu emprego a tempo inteiro, o curso de informática e a minha vida pessoal. Estou a estudar informática para especializar-me e atingir a excelência na criação de conteúdos e desenvolver mais qualidades. Acredito que podemos atingir aos nossos objetivos através de muita dedicação e trabalho.

 

Estou disponível para receber o teu trabalho e tratá-lo com profissionalismo. Para mais informações ou esclarecimentos envia-me um e-mail ou uma mensagem em qualquer uma das minhas redes sociais.

 

IMG_20180131_103818.png

goodreads twitter instagram facebook 

 

AGRADECIMENTOS E OUTROS BRINDES

17883923_738369239676988_8420532579392143332_n.png

 

Mais um aniversário.

 

Agradeço a companhia, as palavras que circulam e nos ligam através de uma linha invisível. Extremamente grata por ver um blog dedicado à literatura crescer com novos leitores e acrescentar na vida de alguns. Sobretudo às pessoas que se instalaram na minha vida para a melhorar os meus dias. Sem esquecer quem passa e no silêncio continua a passar.

 

Sempre me disseram que os livros não suscitavam interesse por parte do público, não podia com um blog atravessar limites ou dar azo à criatividade. Ler e escrever sobre livros é tão monótono, repetem as vozes. Basta ler e escrever. Ler e escrever. Foi totalmente o oposto. Foi um ano cheio de tanto que precisei muitas vezes de parar, respirar fundo e pensar: isto está a acontecer? Está.

 

Os livros podem transformar e trazer o que só o conhecimento traz. São a base para uma sociedade informada, qualificada, determinada e disposta a debater ideias.  Melhor, portanto. Eu acredito no poder da literatura.

 

Posso garantir a minha contínua satisfação com tudo o que faço no blog e no respetivo canal. Posso garantir o meu enorme entusiasmo diário com todo o conteúdo que produzo e aprendo. Adoro cada momento que dedico aos meus textos e vídeos. Adoro cada e-mail ou mensagem onde me dizem: comecei a ler por causa de ti. Obrigada.

 

Este ano tive direito à evolução, aos méritos e aos resultados que pretendia. Este ano foi um ou dois degraus no caminho que pretendo continuar a percorrer e quero chegar. Assumidamente quero trabalhar para os livros, pela literatura. Sendo necessário um desempenho de coração e alma. Dedicação e muito trabalho. 

 

No próximo ano pretendo focar-me no trabalho e no estudo de forma a garantir qualidade e crescimento pessoal e profissional. Na verdade, levo este trabalho muito a sério e não me lembro quando deixou de ser uma brincadeira por amor aos livros. Não é. Tenho a sorte de trabalhar neste projeto enquanto transmito o amor e respeito pelos livros e escritores.

 

Há uma enorme tendência em enaltecer a literatura portuguesa e trabalhar no sentido de divulgar mais. Tapar uma frecha a nível da publicidade e marketing em relação aos nossos. Recuperar os clássicos e leitores. Criar novas formas de viver a literatura. Vamos, caros leitores. Não vamos deixar os livros morrerem no ruído dos tempos modernos.

 

Estou extremamente confiante num futuro com mais leitores e novos escritores. Obrigada também às editoras que apostaram na ligação e partilha. Sem esquecer, obrigada à Sapo que me acolhe desde sempre com muito carinho e me inspira permanentemente.  

 

share_256_171117134202.png

 

goodreads twitter instagram facebook 

 

10 COISAS QUE APRENDI COM OS BLOGUES

Tenho um blogues há uns anitos. E adoro. Tenho aprendido várias coisas, tenho visto com bons olhos a evoluição. Perdi o interesse em seguir alguns blogues e encontrei blogues novos mega interessantes que adoro ler diariamente. Conheci pessoas espectaculares e com gostos muito parecidos com os meus. O balanço geral é muito positivo mesmo com alguns pontos negativos. 

 

- Faças o que fizerem há sempre alguém que vai criticar, não vai gostar e ainda quer explicações. Relativiza.

- Podemos fazer amizades verdadeiras e para a vida. E desamizades também. 

- Ter parcerias é muito bom.  Dão origem a experiências e oportunidades únicas. Pode incomodar algumas pessoas, mas se mantiveres a tua postura e princípios vais dormir descansado nesta vida.

- Os números são importantes (leitores, seguidores e likes). E não faz mal nenhum.

- Os anónimos são pessoas que visitam diariamente o blog. Só comentam sem nome. Uh, que grande novidade.

- As pessoas continuam a ler e a criar blogues. Não morreram. 

- Os comentários são a alma disto tudo. E é educado responder a todos. De preferência antes de passar um ano após o comentário. 

- A criatividade não abrange toda a gente. Vão copiar-te, imitar-te e fingir que não fizeram nada. Vão justificar com "já foi tudo inventado". Claro.

- O pessoal mais antigo vai passar a usar a expressão "no meu tempo..." sem perceber que até a blogosfera evoluiu e há blogues para todos.

- Se tiveres parcerias vão pedir-te descaradamente ajuda para conseguirem também. Se negares dar a informação vão ficar chateados, se disseres que "sim" não vão dizer um "obrigada". Faz de conta que conseguiram tudo sozinhos. 

 

EXTRA

- Ter um blog é espectacular. Venham as redes sociais que vierem (com ou sem parcerias). Tenham os números que tiverem. 

15 ESCRITORES COM BLOG

 

Tomei a liberdade de pesquisar e criar esta lista incrível com alguns blogues de escritores. Deu algum trabalho mas valeu super a pena. Alguns foram uma descoberta, outros seguia há algum tempo. Gosto de ler os blogues de escritores, sobretudo quando abordam assuntos actuais de forma descontraída e divertida. Sou a única?

 

Espero que gostem! 

 

Ana Gil Campos

Patrícia Reis

Bruno Vieira Amaral

Isabela Figueiredo

Anabela Mota Ribeiro

João Tordo 

Nuno Nepomuceno

Gonçalo M. Tavares

Paolo Cognetti

Elísabet Benavent

Patrícia Portela

Jorge Carrión

José Rentes de Carvalho

Filipa Fonseca Silva

Nuno Costa Santos

 

O que mais gostamos de ler em blogues literários

 

Primeiro, o que são blogues literários?

São blogues dedicados à exposição de opiniões em relação às suas leituras. Não são necessariamente escritos por críticos literários ou especialistas em literatura. Se alguém tiver uma definição melhor deixe nos comentários.

 

- Opiniões com poucos detalhes

Os leitores não gostam de saber muitos pormenores dos livros que vão ler. Gostam de conhecer o enquadramento geral e as emoções passadas. Quanto menos, melhor.

 

- Desafios literários

Gostam de conhecer os desafios literários espalhados por aí e até participar em alguns. Sentem como um incentivo e uma forma de ler géneros normalmente deixados para segunda opção.

 

- TAGs

Sobretudo TAGs com conteúdo, com algumas dicas interessantes e temas pertinentes.

 

- Noticias e tópicos de discussão

Os leitores de blogues literários gostam de ter acesso a noticias rápidas e lançamentos. Gostam de estar informados das novidades.

 

- Aquisições

Compras literárias com uma leve nuance da sinopse.

 

- Listas

Listas diversas.

 

-  Conteúdo próprio e original

Personalidade do autor do blogue inserida no conteúdo do blogue assim como originalidade na criação de conteúdo. 

 

Alguma coisa a acrescentar?

Precisamos Falar Sobre Este Blog

IMG_7095.JPG

 

Todos os livros lidos têm um post com a minha opinião. Os posts são escritos alguns dias após a leitura do livro para eu dissecar a história e formar a minha opinião. As tags usadas neste género de post são sempre o nome do autor e a palavra "opinião". Os nomes dos autores estão na lateral esquerda do blog para consulta rápida. Quando faço a leitura de um livro de uma autora acrescento a tag "leiamulheres".

 

Todos os filmes vistos para o projecto Veja Mais Mulheres têm um post com a minha opinião e divulgação do mesmo. O destaque vai para o nome da directora. Os nomes de todas as directoras estão na lateral esquerda do blog. 

 

Os vídeos colocados no Youtube são colocados no blog. Podem assistir a todos os vídeos deste ano se clicarem na rubrica de 5 em 5 na barra lateral esquerda. 

 

A barra lateral esquerda tem os meus desafios literários para facilitar a consulta. 

 

A barra lateral esquerda tem as rubricas existentes neste blog para facilitar a consulta. 

 

No final de cada mês existe sempre um resumo detalhado de todas as leituras. 

 

Só divulgo livros nos posts de lançamentos de acordo com os meus gostos literários. 

 

As fotos nos posts de opinião são da minha autoria. Aliás, o fundo escolhido para cada foto é alterado sempre que o mês altera. 

 

Os desafios literários são actualizados ao longo do ano. 

 

As opiniões expostas neste blog não têm influência de ninguém. São absolutamente sinceras.

 

Não mantenho parceria com nenhuma editora ou site de vendas. Os livros da minha estante são comprados. Quando recebo algum livro de oferta é dito no post de opinião. Este ano não recebi nenhum livro. O ano passado recebi três. Os passatempos também são todos do meu bolso. 

 

Levo bastante a sério tudo o que coloco neste blog ou faço em função dele. 

 

leitora beta * divulgação * literatura *

contacta-me para mais informações contactoclaudiaoliveira@gmail.com

ESTREIA 21 DE JUNHO

Resultado de imagem para a livraria

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D