Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

amulherqueamalivros

RAPARIGA LENDO

 

 

Hoje comemora-se o Dia Mundial da Poesia. Este dia não podia passar em branco. Rapariga, em Portugal é menina/mulher. Para não criar dúvidas, sei que muitos dos visitantes deste blog vem do Brasil. Espero que gostem, fiz a minha homenagem com carinho. O autor citado é Nuno Júdice, a edição é da Dom Quixote.  

 

Podes comprar AQUI

 

 goodreads twitter instagram facebook wook

CORRESPONDÊNCIAS | OPINIÃO E PASSATEMPO

unnamed.jpg

 

 

Durante esta semana fui até ao Cinema Ideal para assistir ao filme Correspondências realizado por Rita Azevedo Gomes. O filme é baseado nas correspondências entre Sophia de Mello Breyner e Jorge de Sena durante 1957 e 1978, o período de exílio deste último. 

 

Dedicada ao meu projeto Ler Poesia, sobretudo pela poesia de Sophia de Mello Breyner, fui levada até ao cinema para visualizar este filme. Outro aspeto que me interessou bastante foi o facto de ser um filme realizado por uma mulher portuguesa. Não podia pedir mais. A sensibilidade está em todos os planos e escolha de poemas. Alguns já conhecia, foi interessante a ligação de imagens às palavras dos dois poetas. Existe um livro de correspondências (esgotado, da Guerra & Paz) onde foi baseado este filme. As cartas foram lidas e homenageadas em pequenos retalhos muito semelhantes à memória, imagens fugidias com alusão à solidão e falta de liberdade.

 

São duas horas e meia de amor às palavras. Escutadas por quem parava. São lidos poemas e cartas em várias línguas. Inglês, francês, italiano. A poesia é universal. A dado momento Sophia fala na força da poesia, na dificuldade em regressar ao seu país, na forma como a PIDE é muito organizada. Lamenta a inexistência dos apoios à educação. Formidável. O amor pela Grécia, na amizade com Agustina Bessa-Luís. Jorge de Sena tem um tom mais amargurado, abalado com a situação política vivida.

 

Correspondências foi apresentado em vários festivais de cinema internacionais e ganhou o Prémio Fundação Saramago e Livraria Lello para Melhor Filme Falado em Português, Galego ou Crioulo de Origem Portuguesa, Transversal às Competições no DocLisboa 2016 e o Prémio Melhor Realização no Caminhos do Cinema Português 2016


A correspondência entre Sophia e Jorge de Sena é um testemunho da forte e  profunda amizade entre estes dois poetas, mas é também marcada pelo sempre presente peso da censura e da situação política em Portugal naquela época. Estreia dia 8 de março, no dia da mulher, no Cinema Ideal, em Lisboa, no Cinema Trindade, no Porto, e no Alma Shopping, em Coimbra.

 

 

 

Sobre a realizadora Rita Azevedo Gomes

 

Nascida em Lisboa, em 1952, Rita Azevedo Gomes tem um percurso variado, ligado às artes visuais. Começou por estudar Belas Artes, ligando-se ao cinema a pouco e pouco. Esteve envolvida, ao longo dos anos, em inúmeros projectos em teatro, ópera, artes plásticas e cinema, tendo ainda desenvolvido, com grande reconhecimento, trabalhos gráficos em diversas edições de cinema da Cinemateca e da Fundação Calouste Gulbenkian. Em 1990, realizou o seu primeiro filme: “O Som da Terra a Tremer”, após o qual escreveu e realizou várias curtas e longas metragens internacionalmente reconhecidas em festivais de todo o mundo. Actualmente está a terminar a sua longa-metragem "A Portuguesa" e trabalha na Cinemateca Portuguesa como programadora. 

 

 

Passatempo

 

Tenho dois bilhetes para vos oferecer. Esta sessão acontece no dia 13 de Março, no Cinema Ideal (Lisboa/Chiado) pelas 19 horas. Basta preencheres o formulário com os teus dados. Vou sortear no dia da mulher, dia 8 de março, parece-me uma linda forma de marcar este dia. 

 

 

 

LER POESIA | FLORBELA ESPANCA

 Tem sido para mim um desafio escrever ou falar sobre poesia. Quis explorar essa vertente e sair da minha zona de conforto. E tem sido surpresas atrás de surpresa. Ler poesia tem acrescentado na minha vida. Partilhar estas experiências também. Obrigada pelo vosso feedback, obrigada a quem está a deixar entrar a poesia na sua vida. Juntas tudo é duplamente melhor. 

 

Neste vídeo falo de como foi ler Florbela Espanca e um bocadinho do que descobri sobre ela. A poesia dela fala por si. Espero que gostem, obrigada a quem deixou feedback e me incentiva a trazer mais poesia no canal. Todos os meses cá estarei a falar de mais um poeta português. 

 

Mais sobre este projeto aqui

goodreads twitter instagram facebook 

O MELHOR PRESENTE PARA O DIA DOS NAMORADOS

InstaFit_20180203_14343042.jpg

 

O amor está no ar no mês de fevereiro com a aproximação do dia dos namorados. Nada melhor do que ler sobre este grande sentimento que move o mundo. Para não deixar passar em branco o dia dos namorados, a Suma de Letras lançou uma coletânea de 59 poemas numa edição linda de morrer. Não dá para ficar indiferente. Um excelente presente para a cara metade. Ou simplesmente um presente para si leitor que quer ler sobre o amor e acredita na sua força como sentimento transformador e inspirador. Amor em 59 poemas. 

 

Fiquei muito contente por reconhecer alguns nomes da literatura portuguesa, brasileira e não só. Através de uma pequena biografia ao lado do poema temos a possibilidade de conhecer um pouco sobre o poeta ou poetisa. Acho interessante a diversidade contida. Desde Fernando Pessoa, Dante, Baudelaire,...

 

Este livro de poemas sobre o amor prova que é possível escrever sobre o amor das mais diversas formas e intensidades. Dependendo da experiência de cada um o amor pode ter a forma que quiser. Alguns são sofridos, amargurados enquanto que outros trazem luz e esperança. Poemas belíssimos encheram os meus dias de palavras eternizadas pelo tempo. Poetas e poetisas que pretendo descobrir ao longo da vida.

 

Os meus preferidos são os poemas enigmáticos e curtos. Poemas concisos que deixam marcas. Abruptos, como uma porta fechada após uma discussão. Sinceros, sofridos, doces e alegres. O amor está em todo o lado. O amor é forma de expressão universal mais incrível de todas.

 

No inicio do ano tive a oportunidade de ler outra coletânea, tornou-se uma necessidade diária e uma relação (quase) íntima entre mim e a poesia. Ainda em desenvolvimento com tendência para estreitar-se. Estou a adorar a experiência, recomendo vivamente a quem tem curiosidade e sente (como eu sentia) que não entende a poesia. O meu chamado para a poesia aconteceu o ano passado com os poemas da Rupi Kaur (podem ver aqui) , desde daí o bichinho ficou e veio intensificar-se com a poesia do Helberto Hélder. Um dia falo melhor sobre isso.

 

Gostei bastante de ler este livro e ter a oportunidade de conhecer mais poetas e poetisas. Fica o convite para verem o vídeo onde vos dou uma ideia para o presente do dia dos namorados e vos mostro com mais detalhe este livro lindo da Suma das Letras.  

 

 

OS CEM MELHORES POEMAS PORTUGUESES DOS ÚLTIMOS CEM ANOS | ORGANIZADO POR JOSÉ MÁRIO SILVA

InstaFit_20180109_17461651.jpg

 

Quero mais poesia na minha vida. Mais paz na alma, mais aconchego no coração. Quero ser desarmada e atingida com força pelas palavras. Quero que mexam e remexam as minhas emoções à flor da pele. Quero um nó tão grande na garganta que me faça gritar as mágoas. Nada melhor do que começar este ano com poesia lusófona para atrair qualidade nos trabalhosos 365 dias de 2018.

 

Esta seleção de poemas foi feita pelo José Mário Silva. Ele é critico literário no Expresso (o meu preferido, leio tudo, adoro). Esta obra é um convite a todos os leitores e não leitores de poesia. Uma porta de entrada para os que não costumam ler poesia. Uma homenagem a grandes poetas e poetisas. Acredito que muitos ficaram de fora. Mas para quem conhece pouco, como eu, será um prato cheio. 

 

O livro está dividido pela seguinte ordem: Breves Notas; Retratos; Relatos, Desacatos; Hiatos e Autores por Ordem Cronológica. O livro apesar do fraco papel usado, tem uma capa resistente e bonita. Fiquei apaixonada por vários poemas e cheia de vontade embarcar nesta viagem desconhecida da poesia. Alguns conhecia da escola, dos cadernos, por aí. Outros nomes nem por isso e foi uma surpresa encontrar novos nomes para acrescentar na minha lista de "preciso de ler". Acreditem, foi difícil escolher o poema preferido. 

 

Realço os seguintes nomes, Ruy Belo; Almada Negreiros; Maria Teresa Horta; Rui Costa; Rui Lage; Hélia Correia, Nuno Júdice; Herberto Hérder; Joaquim Cardoso Dias; Golgona Anghel; António Maria Lisboa; Mário Dionísio; Adília Lopes; Daniel Jonas; Ana Hatherly; Fernando Pessoa e os seus heterónimos. 

 

Gosto de poemas sobre o obscuro, a dor, a solidão. Gosto de poemas sobre as pessoas e o mundo. Gosto das palavras arrancadas da alma, da pele e de todo o sofrimento capaz de estar nas palavras. Gosto de não entender e reler e voltar a não entender. Gosto de sentir sem entender. Gosto de poesia e nunca pensei que gostasse tanto. 

 

Uma pergunta, porque raio o blogs.sapo.pt não reconhece a palavra "poetisa"? 

 

Escolhi um dos meus poemas preferidos com alguma dor no coração. É de uma poetisa que pretendo explorar mais este ano. 

 

Adília Lopes (p. 155)

"Não gosto tanto

de livro

como Mallarmé

parece que gostava

eu não sou um livro

e quando me dizem 

gosto muito dos seus livros

gostava de poder dizer

como o poeta Cesariny

olha

eu gostava

é que tu gostasses de mim

os livros não são feitos

de carne e osso

e quando tenho

vontade de chorar

abrir um livro

preciso de um abraço

mas graças a Deus

o mundo não é um livro

e o acaso não existe

no entanto gosto muito

de livros

 

 

Mais poesia virá por aqui. Estou com o projeto Ler Poesia em andamento juntamente com a Alexandra. Já mostrei a próxima poetisa a integrar este projeto ainda este mês no Instastories (@ClaudiaOSimoes). Para quem não sabe, o Instastories faz parte da aplicação Instagram e é só carregar na foto do perfil da pessoa em questão para assistir. 

LER POESIA | UM LIVRO DE POEMAS NA MESA DE CABECEIRA

IMG_20171216_225911.png

 Eu e a Alexandra do blog maravilhoso Mais Mulheres Por Favor temos um projeto de leitura para vos apresentar. Chama-se Ler Poesia. Consiste em ler todos os meses um livro de poesia e divulgar mais o género literário. A poesia entrou na minha vida depois oo livro Letra Aberta, de Helberto Helder. Quero ler mais poesia em 2018 e encontrar nos vossos blogues/canais literários mais poesia para exploramos juntos o que de melhor a poesia tem para oferecer. 

 

Portanto, todos os meses pretendemos conhecer um/uma poeta diferente e partilhar convosco as emoções em relação ao livro escolhido. Depois da leitura seleccionamos o poema preferido e partilhamos convosco em vídeo ou post. Pretendo abrir um espaço no blog para tudo o que esteja relacionado com este projeto para futuras pesquisas. Entretanto já estou a pensar no primeiro livro de poesia de 2018. Ansiosa e feliz. 

 

Espero que 2018 seja um ano intenso de boa literatura e boas partilhas. 

leitora beta * divulgação * literatura *

contacta-me para mais informações contactoclaudiaoliveira@gmail.com
guia-de-viagem-skyscrapper

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D