Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

amulherqueamalivros

YOUNG ADULT NO MEIO DA POLÉMICA

InstaFit_20180411_13201288.jpg

 

Tenho um projeto este ano, ler um Young Adult por mês. Ou seja, livros destinados ao público jovem. Primeiro, porque gosto. Segundo, porque acho interessante ver o mundo com uma perspetiva diferente (dos jovens que um dia os meus filhos serão). Terceiro, os assuntos são sempre atuais, consigo acompanhar o mundo (os seus preconceitos e mudanças).

 

Já saí muito surpreendida, desiludida, e apesar de todos os preconceitos existentes em relação ao género, tem sido um projeto que tenho feito com muito gosto. Não acho de todo que os livros para jovens adultos sejam pouco profundos ou desnecessários. Acho que têm um papel importante para criar novos leitores e trazer assuntos necessários. A narrativa é apelativa e prende, marcada pela diversidade e representatividade. Facilmente os jovens sentem representados os seus dramas, questões e paixões.

 

Os meus filhos são muito pequenos, mas a minha irmã é uma jovem leitora. Foram os livros Young Adult que a apaixonaram. Primeiro Divergente, depois Os Jogos da Fome. Ver o seu entusiasmo com os livros é maravilhoso. Também a incentivei bastante nos primeiros passos como leitora. Durante as férias ela devorou vários livros. E quando chega a Feira do Livro ela já tem uma lista de desejos preparada. Tivesse eu dado um Saramago ou um Eça para as suas mãos talvez tivesse destruído uma paixão antes de começar. Toda a gente sabe quem vence entre as séries televisivas e os livros.

 

Sempre que vou a eventos literários noto um julgamento por parte dos escritores portugueses. E apesar de os amar de coração, não consigo entender quem julga um público que desconhece. Os leitores de literatura portuguesa contemporânea não podem ser os mesmos leitores de best sellers e young adult? Os leitores de young adult não podem ser leitores de clássicos? Estamos restringidos a estereótipos?  Livros com qualidade não podem ser best sellers? 

 

“Livros que não provocam nada no leitor não são literatura, são outra coisa qualquer”, dizia uma jornalista num evento em que estive presente. E eu fiquei a pensar naquilo. Já li clássicos que não me fizeram pensar, nem senti uma réstia de emoção. Já li literatura contemporânea adulta que não me disseram nada. Já li best sellers que me fizeram chorar ou sentir um murro no estômago. “A Vida de Pi”, “A Rapariga que Roubava Livros”, “Eleanor & Park”, “O Ódio que Semeias” são alguns exemplos.

 

Leitores julgam leitores.  Há uns tempos vi um vídeo de uma pessoa que dava a opinião dela em relação a um livro de uma escritora muito querida (e aí tudo bem, cada um com os seus gostos), mas ela não falava apenas da obra, ela menosprezava os gostos literários das pessoas que falam bem da autora em causa. Só faltou dizer o nome da pessoa em causa. Ter uma opinião em relação a determinado livro é natural. Criticar as escolhas dos outros leitores é pretensiosismo. Lemos o que quisermos, o que nos apetece e não somos leitores inferiores a ninguém. O que vamos respeitar se não respeitarmos as escolhas literárias dos outros?

 

Eu leio de tudo. Leio imensos livros de autoajuda, hoje chamam de desenvolvimento pessoal para atenuar as coisas, li Paulo Coelho, Margarida Rebelo Pinto, Crepúsculo, 50 Sombras de Grey. Já recebi vários comentários com julgamento em relação às minhas escolhas. Acabaram por desaparecer depois do vídeo em que falei no assunto.

 

No meu último vídeo sobre perguntas e respostas, abordei um bocadinho a minha opinião em relação à evolução de leitores. Não acredito muito nisso da evolução dos leitores. Ups. Normalmente não concordam com a minha opinião, e levam a mal quando afirmo: “nem todos evoluem”. Acredito em leitores de fases. Acredito no desenvolvimento de critérios que desenvolvem o teu gosto pessoal. Li muita literatura clássica quando era pequena, assim como literatura contemporânea para adultos. E segundo os especialistas, a evolução natural seria continuar a ler clássicos (Ulisses, Moby Dick, Dom Quixote). Mas eu passei a ler fantasia, thrillers e romances contemporâneos. Se calhar, recuaste na evolução. Não, continuo a ler clássicos. Pois. Leio conforme a fase da vida em que estou. Conforme a minha curiosidade por determinado livro. Ou simplesmente porque sou influenciada por opiniões alheias.

 

Esta semana, houve uma polémica com uma empresa de experiências de distribuição de livros no Brasil, a TAG Experiências. A dita empresa enviou por e-mail para os subscritores a explicação das duas ofertas disponíveis: livros que não fazem pensar e nada profundos vs livros com qualidade e profundos. Best sellers vs clássicos. Mas toda a gente sabe que existem Clássicos YA e Clássicos Best Sellers. Fiz uma lista há uns tempos por aqui. Não faz muito sentido esta discussão, né? A polémica gerou vários posicionamentos contra a empresa. Várias vozes se levantaram para defender os young adult, o que me deixa muito feliz.  Vi várias listas e apoiantes no Youtube. Unidos jamais serão vencidos. Vocês também viram? Entretanto, a empresa já alterou tudo, mas ainda não se pronunciou sobre o assunto.

 

Na verdade, este texto era para ser a minha opinião do livro Mirror Mirror, de Cara Delevingne. Terá de ficar para outra altura. Uma coisa levou à outra e dei por mim a escrever sobre preconceito literário. Continuo a afirmar que a literatura clássica é necessária e deve ser incentivada (Clube dos Clássicos Vivos). No entanto, prefiro que a literatura ande de mão dada com o entusiasmo. Seja ele qual for.

 

 

COMO É QUE EU LEIO TANTO COM DUAS CRIANÇAS PEQUENAS?

InstaFit_20180411_13201288.jpg

 

A pergunta que mais me fazem é “como é que fazes para ler tanto com duas crianças?, ou “que raio de mãe és tu que passas tanto tempo a ler e não dás atenção aos teus filhos”? Hoje resolvi resumir tudo e escrever este texto para vos contar os meus segredos. Como é que eu faço para continuar a ler, respirar e ainda ter duas crianças ao meu cargo? É possível. Levem isto para a vida. Quando há vontade, há manobras.

 

Como fazes para ler tanto?

O dia tem 24 horas. Eu trabalho das oito às cinco. Menos oito horas. No entanto, durante a minha pausa de dez minutos do pequeno almoço costumo ler umas páginas. Leio sempre antes de dormir todos os dias. Normalmente das 22h às 23h, se o livro estiver muito bom ou se estiver quase a terminar avanço até ao fim. Tenho acordado às seis e leio vinte minutos. Durante o fim de semana, após o mais importante, durante algumas viagens mais longas ou pausas para relaxar durante as sestas ou brincadeiras deles leio algumas páginas. Quando não tenho aulas, leio um pouco antes dos miúdos chegarem do infantário e faço o jantar. Portanto, dedico meia hora no mínimo todos os dias à leitura. No mínimo. Todos os dias. É assim que eu faço. Eu não prescindo deste momento só meu. Sê inteira, diz Chimamanda. Concordo totalmente.

 

E quando eles eram mais pequeninos?

Durante a tarde ia ao jardim com eles ou a uma esplanada e levava um livro. Quando não tinha companhia, lia durante a sesta. Fazia isso várias vezes. Aproveitei bem o tempo que estive em casa. Que saudades!

 

O Gustavo sempre quis mais atenção que a Francisca, praticava fazia tudo com ele no sling. Não podia estar sozinho, chorava imenso. Lia no Kobo com a luz apagada um bocadinho antes de adormecer. Sempre fui muito ansiosa, não conseguia dormir no período das sestas dele à espera que acordasse para voltar a mamar. Com a Francisca, tornei-me uma mãe mais prática e relaxada. Fazia os mesmos passeios, mas ela era menos chorona, ajudou imenso. Nunca prescindi do tempo dedicado aos meus filhos, mas também nunca abandonei as minhas necessidades como dormir e cuidar de mim. Se tiveres ajuda de familiares, melhor! Pede, sem medos.

 

No fundo, a maior dica que posso dar é, perguntarem-se: porque quero ler com um bebé pequeno? Porque precisas de manter o ritmo de leitura na fase em que o teu filho ainda é bebé? A motivação tem de ser poderosa de forma a colocares no topo das tuas prioridades.

 

Para mim, a leitura está ligada ao meu desenvolvimento pessoal que por sua vez está ligada ao meu bem-estar emocional. Obviamente que passei por várias fases, lembro-me de ter lido um livro durante o mês nessa fase. Mas li tanto durante a gravidez e as malditas insónias.  Quando estão doentes, as dicas não valem nada. Se passar dias sem ler, está tudo bem. Não vou martirizar-me por isso. E lamento, não somos menos mães do que as mulheres que só se dedicam aos filhos e não fazem mais nada. Não somos menos mães porque não cozinhamos, limpamos, tratamos de tudo. Não somos menos mães se for o nosso marido a dar banhos, e vamos estudar. O pai tem a mesma responsabilidade. E se não tiver o mesmo jeito, está tudo bem!

 

A maternidade por mais bonita que seja, por mais importante que os meus filhos sejam, acho essencial estar bem, para eles estarem bem. A maternidade somente não chega para me deixar realizada. Assim como para o marido. Somos seres individuais com necessidades igualmente individuais. Não me resumo ao papel de mãe, sou outras mil coisas.

 

Nunca tive ajudas de ninguém para tratar dos meus filhos. Sempre fui eu e o meu marido a tratar dos dois. E sabem aquela equipa fantástica? Somos nós. O meu marido é peça importante, tal como eu, para tudo o que se passa nesta família. Não há ajudas, há cooperação. Muita coisa ficou de lado, mudou naturalmente. Claro que temos de fazer alguma ginástica. Temos de ceder muitas vezes. E está tudo bem!

 

E agora, quais são os segredos?

Sou organizada, não perco muito tempo na cozinha todos os dias, nem nos supermercados, nem a fazer quase nada. Como? Nos supermercados vou em períodos menos caóticos, final do dia, uma hora antes de fecharem. Preparo uma ementa quase semanal do que vou comer na semana seguinte. Nesse sempre. Faço receitas simples e fáceis. As mais complicadas ficam para os dias mais folgados. A casa é organizada ao longo da semana, no sábado gosto de fazer as limpezas maiores de manhã. Leio, priorizo a leitura, amo ler e coloco à frente de várias outras coisas. Eles brincam imenso, já querem o seu espaço, ficam mais tempo focados em tarefas. Eu sou prática, não complico. Fui aprendendo. Faço o que tiver de fazer com os dois. Não levo o mundo atrás quando saímos de casa. A casa, às vezes, está uma confusão e não stresso com isso. A casa é para viver. Outra coisa, não sou uma pessoa preguiçosa, sou metódica, e tenho um ritmo ligeiramente acelerado. E seria incapaz de passar os meus dias a lamentar sem fazer nada para mudar. Sou daquele tipo de pessoa que confrontada com problemas, procuro soluções. Se calhar, vou esquecer-me de algumas dicas, mas espero que estas sejam úteis na medida do possível.

 

Vamos ser práticos

Vamos ao lado prático das coisas. Com bebé ou sem bebé. Um dia tem vinte e quatro horas, menos dezasseis (oito para trabalhar, oito para dormir) sobram oito. Oito menos uma hora para necessidades básicas como comer, tomar banho, etc… sobram sete. Sete menos três horas que passo no curso sobram quatro. Ui, quatro horas, tratar dos miúdos, brincar, arrumar, lavar,… sendo duas horas, ainda me sobram duas horas. E o que eu faço com elas? Dedico-me às minhas metas pessoais, leio e escrevo. Às vezes, não faço nada, estou na internet, vejo imensos vídeos no YouTube, vejo séries, vou ao cinema, janto fora. Coisas de humano.

 

Gente, o tempo é igual para toda a gente. O meu dia não tem mais horas do que o vosso. Façam um diário do vosso dia, vejam quanto tempo gastam com certas atividades, vejam quanto tempo perdem na internet ou a ver televisão. Não deixem o mais importante para terceiro plano. Eu aprendi que o mais importante deve ser feito primeiro. Aposto que depois do diário de atividades vão descobrir maravilhas e encontrar meia hora para ler. Se o quiserem, realmente.

 

O desafio que eu lanço é: realiza um diário de atividades por três ou cinco dias. Se quiserem saber como fazer podemos falar melhor sobre isso num vídeo, o que acham?

 

CORRESPONDÊNCIAS | OPINIÃO E PASSATEMPO

unnamed.jpg

 

 

Durante esta semana fui até ao Cinema Ideal para assistir ao filme Correspondências realizado por Rita Azevedo Gomes. O filme é baseado nas correspondências entre Sophia de Mello Breyner e Jorge de Sena durante 1957 e 1978, o período de exílio deste último. 

 

Dedicada ao meu projeto Ler Poesia, sobretudo pela poesia de Sophia de Mello Breyner, fui levada até ao cinema para visualizar este filme. Outro aspeto que me interessou bastante foi o facto de ser um filme realizado por uma mulher portuguesa. Não podia pedir mais. A sensibilidade está em todos os planos e escolha de poemas. Alguns já conhecia, foi interessante a ligação de imagens às palavras dos dois poetas. Existe um livro de correspondências (esgotado, da Guerra & Paz) onde foi baseado este filme. As cartas foram lidas e homenageadas em pequenos retalhos muito semelhantes à memória, imagens fugidias com alusão à solidão e falta de liberdade.

 

São duas horas e meia de amor às palavras. Escutadas por quem parava. São lidos poemas e cartas em várias línguas. Inglês, francês, italiano. A poesia é universal. A dado momento Sophia fala na força da poesia, na dificuldade em regressar ao seu país, na forma como a PIDE é muito organizada. Lamenta a inexistência dos apoios à educação. Formidável. O amor pela Grécia, na amizade com Agustina Bessa-Luís. Jorge de Sena tem um tom mais amargurado, abalado com a situação política vivida.

 

Correspondências foi apresentado em vários festivais de cinema internacionais e ganhou o Prémio Fundação Saramago e Livraria Lello para Melhor Filme Falado em Português, Galego ou Crioulo de Origem Portuguesa, Transversal às Competições no DocLisboa 2016 e o Prémio Melhor Realização no Caminhos do Cinema Português 2016


A correspondência entre Sophia e Jorge de Sena é um testemunho da forte e  profunda amizade entre estes dois poetas, mas é também marcada pelo sempre presente peso da censura e da situação política em Portugal naquela época. Estreia dia 8 de março, no dia da mulher, no Cinema Ideal, em Lisboa, no Cinema Trindade, no Porto, e no Alma Shopping, em Coimbra.

 

 

 

Sobre a realizadora Rita Azevedo Gomes

 

Nascida em Lisboa, em 1952, Rita Azevedo Gomes tem um percurso variado, ligado às artes visuais. Começou por estudar Belas Artes, ligando-se ao cinema a pouco e pouco. Esteve envolvida, ao longo dos anos, em inúmeros projectos em teatro, ópera, artes plásticas e cinema, tendo ainda desenvolvido, com grande reconhecimento, trabalhos gráficos em diversas edições de cinema da Cinemateca e da Fundação Calouste Gulbenkian. Em 1990, realizou o seu primeiro filme: “O Som da Terra a Tremer”, após o qual escreveu e realizou várias curtas e longas metragens internacionalmente reconhecidas em festivais de todo o mundo. Actualmente está a terminar a sua longa-metragem "A Portuguesa" e trabalha na Cinemateca Portuguesa como programadora. 

 

 

Passatempo

 

Tenho dois bilhetes para vos oferecer. Esta sessão acontece no dia 13 de Março, no Cinema Ideal (Lisboa/Chiado) pelas 19 horas. Basta preencheres o formulário com os teus dados. Vou sortear no dia da mulher, dia 8 de março, parece-me uma linda forma de marcar este dia. 

 

 

 

AGRADECIMENTOS E OUTROS BRINDES

17883923_738369239676988_8420532579392143332_n.png

 

Mais um aniversário.

 

Agradeço a companhia, as palavras que circulam e nos ligam através de uma linha invisível. Extremamente grata por ver um blog dedicado à literatura crescer com novos leitores e acrescentar na vida de alguns. Sobretudo às pessoas que se instalaram na minha vida para a melhorar os meus dias. Sem esquecer quem passa e no silêncio continua a passar.

 

Sempre me disseram que os livros não suscitavam interesse por parte do público, não podia com um blog atravessar limites ou dar azo à criatividade. Ler e escrever sobre livros é tão monótono, repetem as vozes. Basta ler e escrever. Ler e escrever. Foi totalmente o oposto. Foi um ano cheio de tanto que precisei muitas vezes de parar, respirar fundo e pensar: isto está a acontecer? Está.

 

Os livros podem transformar e trazer o que só o conhecimento traz. São a base para uma sociedade informada, qualificada, determinada e disposta a debater ideias.  Melhor, portanto. Eu acredito no poder da literatura.

 

Posso garantir a minha contínua satisfação com tudo o que faço no blog e no respetivo canal. Posso garantir o meu enorme entusiasmo diário com todo o conteúdo que produzo e aprendo. Adoro cada momento que dedico aos meus textos e vídeos. Adoro cada e-mail ou mensagem onde me dizem: comecei a ler por causa de ti. Obrigada.

 

Este ano tive direito à evolução, aos méritos e aos resultados que pretendia. Este ano foi um ou dois degraus no caminho que pretendo continuar a percorrer e quero chegar. Assumidamente quero trabalhar para os livros, pela literatura. Sendo necessário um desempenho de coração e alma. Dedicação e muito trabalho. 

 

No próximo ano pretendo focar-me no trabalho e no estudo de forma a garantir qualidade e crescimento pessoal e profissional. Na verdade, levo este trabalho muito a sério e não me lembro quando deixou de ser uma brincadeira por amor aos livros. Não é. Tenho a sorte de trabalhar neste projeto enquanto transmito o amor e respeito pelos livros e escritores.

 

Há uma enorme tendência em enaltecer a literatura portuguesa e trabalhar no sentido de divulgar mais. Tapar uma frecha a nível da publicidade e marketing em relação aos nossos. Recuperar os clássicos e leitores. Criar novas formas de viver a literatura. Vamos, caros leitores. Não vamos deixar os livros morrerem no ruído dos tempos modernos.

 

Estou extremamente confiante num futuro com mais leitores e novos escritores. Obrigada também às editoras que apostaram na ligação e partilha. Sem esquecer, obrigada à Sapo que me acolhe desde sempre com muito carinho e me inspira permanentemente.  

 

share_256_171117134202.png

 

goodreads twitter instagram facebook 

 

ALERTA CANAL NOVO NO BOOKTUBE

Quem foi ao último encontro do clube dos clássicos vivos vai reconhecer. É a Sónia! Criou um blog e canal sobre livros. Mais uma das nossas. Visitem, subscrevam, digam olá à Sónia. O blog é A Livraria Imperfeita, podem ver AQUI.

 

Quando o meu marido me pergunta quem é a Sónia a minha resposta é sempre esta. "É uma ex colega de escola que lê imenso e eu sempre admirei pelo seu gosto literário". Via várias vezes a Sónia na escola com um livro na mão e pensava: quero ser tua amiga! Quando hoje me disse que criou um canal e blog inspirado nas meninas do Clube dos Clássicos Vivos não podia ter ficado mais feliz. 

 

É isto que faz sentido. Ver mais pessoas a escrever e falar de livros. Obrigada Sónia por esta novidade tão boa. Sê bem vinda ao booktube. 

AUTORES PORTUGUESES GRÁTIS A PARTIR DE DIA 14 DE OUTUBRO

tempImage.jpg

 

Trago boas notícias!

 

A partir do dia 14 de Outubro podes fazer uma colecção de livros com o jornal Expresso, Clássicos de Sempre. A caixa arquivadora vem com o primeiro livro. São todos títulos de autores portugueses, cada um com prefácio que ajuda a contextualizar a obra. No total, são oferecidos 9 livros. E começa com Eça de Queirós, "Alves &Cª" com prefácio de Maria Filomena Mónica.

 

A lista com os títulos e datas é a seguinte:

 

14 de Outubro |  "Alves &Cª", de Eça de Queirós

21 de Outubro | "Coração, Cabeça e Estômago", de Camilo Castelo Branco

28 de Outubro | Sonetos |Antero de Quental

4 de Novebro | "Alto da Barca do Inverno" | Gil Vicente

11 de Novembro | Sonetos | Camões

18 de Novembro | Padre António Vieira | Sermões

25 de Novembro | Poesia Erótica | Bocage

1 de Dezembro | Frei Luís de Sousa | Almeida Garrett

8 de Dezembro | Poesia | Florbela Espanca 

 

 

Fiquei super feliz com esta notícia porque tem títulos que me interessam imenso. Partilha a novidade com os teus amigos leitores, vão adorar saber também. 

 

Fica o alerta para o projeto "Ler os Nossos" em Novembro. Aproveita. 

NOVAS PROPOSTAS LITERÁRIAS | SETEMBRO

 

 

"Doutor Finanças" já está na minha mesa de cabeceira e não vejo a hora de aprender mais uns truques financeiros. É o último lançamento da editora Matéria Prima. Dan Brown regressa com o calhamaço "Origem" numa edição de capa dura da Bertrand Editora. Vem a Portugal brevemente (podem ler a notícia AQUI). Vou estar presente para partilhar tudo com os leitores deste blogue e seguidores do canal YouTube "A Mulher que Ama Livros". Não percam! Javier Marías, um escritor que muito aprecio vai lançar mais um título pela Alfaguara. O conhecido autor do best seller "A Bibliotecária de Auschwitz", Antonio Iturbe, é o autor do recente romance "Céu Aberto". A Wook está a oferecer o seu grande sucesso na compra deste lançamento da Planeta (clica na imagem acima para aproveitares a campanha). O japonês Haruki Murakami foi novamente traduzido em Portugal, o seu mais recente livro chama-se  "Homens sem Mulheres". "A Estrada Subterrânea" tem uma sinopse mega interessante, para além disso foi vencedor do Prémio Pulitzer. Um prémio que normalmente não desilude.  

 

 

 

ESCREVER E SER ESCRITOR (E ALGUMAS SUGESTÕES LITERÁRIAS)

 

 

Escrevo desde os oito. Escrevi três livrinhos. O diário do André (inspirado nos diários de Adrian Mole), a história da Inês e outro inacabado cujo o nome da protagonista não interessa. Pedi uma máquina de escrever com nove anos e ainda a guardo no quarto com carinho. Enquanto não descobri a literatura pensei ser uma possível escritora. Pensei ter qualidades, maturidade e noção de todas as características para um romance. Fui para a escola, sonhava através das composições com mundos imaginários muito elogiados pelo professor careca de português. Gabava tanto a minha criatividade que passei a acreditar fortemente que tinha um talento. Escrevi uma peça de teatro representada diante da escola pela turma, subi ao palco com um ramo de flores. Os testes psicotécnicos sugeriram uma profissão ligada às humanidades. Nasceu um desejo na minha vida: ser escritora. E dizia a toda a gente. Sem vergonha, com os olhos brilhantes. Escrevi várias vezes esse sonho em todos os blogues que tive (desde 2006). Nos meus diários pessoais. Entre amigos, família. Queria ser escritora. Cheguei a participar em alguns concursos literários.

 

Cresci, infelizmente. A ingenuidade deu lugar à realidade. Conheci a literatura através dos russos e apaguei esse desejo porque não tenho nada para acrescentar. Não vou fazer a diferença. Quanto mais leio boa literatura mais tenho certeza que não passa de um sonho doido. O talento tem outro nome. Nomes gigantes. E para fazer igual ao que continuo a criticar prefiro manter-me afastada enquanto "o músculo da escrita" não é forte o suficiente. Nunca será, nunca terei a habilidade dos mestres. No entanto, o mercado parece ter espaço para todos. Um mercado que achava limitado ao talento, acabou por estender-se às estrelas, youtubers, actrizes cozinheiras, apresentadoras fit, apresentadoras românticas, etc...Não é com desdém que digo isto, só quero dizer que se calhar não é impossível editar um livro no mundo moderno. Ou auto publicar. Leio livros que são considerados os preferidos de muitas pessoas e repenso, consigo escrever um bocadinho melhor. Afinal uma das super dicas dos escritores é: leia muito. Eu leio muito, posso escrever um livro? Não creio. No entanto não me imagino a desligar a luz dos meus sonhos enquanto baixo os olhos e digo: esquece. O amor pode ser a (minha) única motivação (e a quantidade enorme de pessoas no mundo também) e a realidade o meu maior obstáculo.

 

No fundo, sempre escrevi melhor no escuro e a minha vida agora tem muita luz. As palavras não escorrem imparáveis, nem o meu olhar tem distância suficiente para alcançar o absurdo de tudo isto.

 

Deixo algumas sugestões para aspirantes a escritores,

 

"Poquê Ler os Clássicos?", Italo Calvino

"A Arte de Escrever", Arthur Schopenhauer

"Cartas a Um Jovem Poeta", Rainer Maria Rilke

"Para Ler como Um Escritor", Francine Prose

Qualquer livro do Bukowski

leitora beta * divulgação * literatura *

contacta-me para mais informações contactoclaudiaoliveira@gmail.com

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D