Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

amulherqueamalivros

HISTÓRIAS DE ADORMECER PARA RAPARIGAS REBELDES 2 | FRANCESCA CAVALLO E ELENA FAVALLI

InstaFit_20180409_11502659.jpg

Numa edição primorosa, por ordem alfabética, este livro contém 50 extraordinárias ilustradoras que dão vida a mulheres igualmente fantásticas. Um trabalho de duas italianas, a Francesca e Elena, que já conta mais de trinta traduções. Se livros sobre mulheres estiveram na moda, e for um motivo para mais trabalhos criativos de mulheres serem divulgados, só pode ser uma boa motivação. Obrigada à Nuvem da Tinta por ter editado este livro em Portugal. 

 

Não desfazendo das outras histórias, houve uma que me fez pesquisar mais e ficou gravada na minha memória. Fiquei realmente impressionada com a coragem dela e como foi importante a sua atitude. Falo da Ruby, a primeira menina negra com seis anos que entrou  para uma escola com apenas crianças brancas. A forma como ela e a sua família combateram o racismo entranhado no sistema é de arrepiar, Existe um filme sobre ela no Youtube. Fui à procura de mais informações e encontrei várias coisas. Hoje ela é uma ativista dos direitos humanos. Mulher de garra. 

 

Já conhecia algumas, JK Rownling, Opray, Beyoncé, Ellen Degeneres, entre outras.  Mas a maioria são mulheres pouco populares que participaram fortemente para a mudança e seguiram a premissa de que podem ser quem quiserem. É essa a grande mensagem deste livro. É interessante ver que são mulheres de todo o mundo, com realidades tão diferentes, empenhadas em transmitir uma mensagem. Este livro mostra que ainda temos muito trabalho pela frente na mudança de pensamentos. A luta continua.

 

Estes livros são necessários na vida das crianças que serão os adultos de amanhã. Recomendo muito. Mensagens fortes numa edição cativante que prima pela qualidade do trabalho de várias mulheres. É um livro necessário nas estantes, nas bibliotecas e escolas. 

 

goodreads twitter instagram facebook 

 

"NEVOEIRO EM AGOSTO" | ROBERT DOMES

Munkee_0829171248.jpg

 

Chorei juntamente com o Ernest. 

 

Diz o prefácio escrito pelo Dr Michael von Cranach: " Quando olho para Ernest gostava que tudo não tivesse acontecido mas, como todos sabemos, isso é impossível. Já nem sequer compensar é possível (e que palavra infeliz e cor derosa arranjámos na altura no contexto da indemnização às vitimas do Holocausto!). Mas livros como este devolvem a Ernest e a todas as vítimas a dignidade que lhes foi roubada de um modo cruel. "

 

Estas palavras bastavam como incentivo à leitura deste livro. No entanto, vou tentar completar com a minha experiência de leitura. Ler sobre esta temática não é fácil, todos sabemos. Fiquei realmente tocada com a história do Ernest. É de uma profunda agonia certas passagens de tão revoltante.  É impossível ficar indiferente e não sentir compaixão. Isto aconteceu! Com ele e com milhares de pessoas!

 

Uma criança, uma simples criança é tratada da pior forma possível. Como lidar com a tristeza do Ernest longe da sua família  num lugar livre de qualquer afecto? Como rejeitar uma criança desamparada? Como explicar aos filhos de hoje que muitas crianças morreram devido as atrocidades provocadas pelo Homem? Como explicar o Holocausto e o racismo? Como explicar a maldade?

 

Este livro mostra um bocadinho da realidade das famílias nómadas yeniches em 1933. Robert Domes conta o que aconteceu ao Ernest, um menino de uma dessas famílias. Não é uma história superficial, pelo contrário, existe informação detalhada na sua narrativa tornado o romance muito rico.

 

Ernest é levado para uma instituição por alemães após o separarem  da sua família. O pai está constantemente fora de casa, a mãe está grávida não consegue suportar o sustento de todos. Ele é uma criança que não cumpre regras, passa a vida a ser repreendido e a saltitar de instituição em instituição. Ninguém gosta dele por ser de etnia cigana. São várias as vezes que é acusado de roubo e tratado de uma forma bastante cruel. 

 

Chorei juntamente com o Ernest. Chorei quando a mãe se foi embora e ficou desamparado. Quando esperançoso esperava a visita do pai. Quando fechava os olhos e acreditava que tudo ia passar um dia. Uma criança, era só uma criança! 

 

 Recomendo. Emociona e revolta.

 

(livro cedido pela editora)

"SE EU FOSSE TUA" | MEREDITH RUSSO

IMG_20170501_174009_578.jpg

 

 

Não nego a importância de livros para adolescentes com personagens diferentes dos padrões comuns . São realmente necessárias histórias contadas do ponto de vista de adolescentes com problemas de identidade ou algum tipo de perturbação mental.  Este livro será com certeza importante para muitos adolescentes. Este livro não fala sobre problemas de identidade ou algum tipo de perturbação mental. Este livro conta a história da Amanda, ela nasceu rapaz.

 

O livro é bastante fácil de ler, a linguagem é simples e os constantes diálogos dão imenso ritmo ao livro. Li-o num dia. Os capítulos curtos também ajudaram muito. Só mais um, só mais um,...No entanto, cheguei ao final incomodada com várias coisas nesta história. Perdi as contas às inúmeras vezes que a protagonista é chamada de "linda". Todas a acham linda, ela é linda mas não acredita, tão linda, linda. Na página oitenta já revirava os olhos com a falta de adjectivos por parte da autora. Eu entendo que a autora queria passar a mensagem de "tu és linda, todos somos, não interessa como somos, de quem gostamos". Mas a repetição não é de todo a melhor forma. Muito menos a nota final, cheia de explicações. 

 

É de louvar a coragem da autora em escrever uma personagem diferente da realidade da maioria para ajudar os adolescentes. Ela própria admite que teve medo em escrever esta história. Corajosa. No entanto, é preciso que seja feito com mestria. Não foi o caso. O livro é raso, sem profundidade. Nunca senti a dor da Amanda, nem algum tipo de sentimento. Já li YA suficientes para saber que não precisam de ser assim.

 

O processo de transformação, a tentativa de suicídio, a angústia da Amanda precisava de estar exposta e dilacerar o meu coração. Nem no momento mais dramático o meu coração ficou aos pulos. É muito difícil imaginar o sofrimento de alguém nesta situação. Ou ser mãe de alguém que um dia chega a casa e diz "afinal sou uma menina". Mas gostava de sentir através da literatura essas dúvidas. Reflectir, ficar atormentada. Não aconteceu.

 

Este livro pretende passar uma mensagem bonita, mas de forma pouco intensa. Podia ter sido muito melhor. 

(este livro foi cedido pela editora)

leitora beta * divulgação * literatura *

contacta-me para mais informações contactoclaudiaoliveira@gmail.com
guia-de-viagem-skyscrapper

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D