Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

amulherqueamalivros

O RAPAZ SELVAGEM | PAOLO COGNETTI

IMG_20180521_130121_HDR.jpg

 

Este livro é bastante diferente do primeiro romance editado em Portugal, "As Oito Montanhas". Um dos meus livros preferidos do ano passado. "O Rapaz Selvagem" foi lançado em Itália, no ano de 2013. Publicado agora pela Dom Quixote.  E claro, estava mais do que empolgada para voltar a ler um livro escrito pelo autor italiano. 

 

Este é um caderno de montanha, ou seja, conta a experiência do autor quando decidiu deixar Milão para mudar-se para a montanha. Logo no inicio sabemos da inspiração que o livro Into the Wild, de Jon Krakauer teve na sua vida. "...marcou-me especialmente. Talvez porque Chris não fosse um filósofo do século XIX, mas um rapaz da minha época, que aos vinte e dois abandonara a cidade, a família, os estudos, um futuro brilhante concebido segundo os padrões da sociedade ocidental e partira para uma errância solitária que terminaria no Alasca...". São citados vários escritores, sendo um dos mais emblemáticos, Thoreau e o mais surpreendente, Saramago. 

 

A escrita do Paolo é encantadora. E de uma delicadeza que só o olhar de um apaixonado pela natureza teria a capacidade de colocar em palavras. Foi extraordinário sentir-me, por breves momento, naquelas montanhas sentada em frente de uma fogueira. São reflexões, pensamentos e partilhas profundas relativas à grandeza da natureza. Sentimos o peso das nossas escolhas e reflectimos sobre as outras formas de viver. Ser livre e conseguir conviver com a solidão.

 

Este livro não traz um enredo cheio de energia, pelo contrário, é uma leitura introspectiva. Conhecemos a sua relação com os livros e com a escrita. As suas tentativas de manter contacto com os outros num lugar onde é pouco frequente as visitas. A forma como ele lida com a solidão e a sua própria companhia. É uma verdadeira homenagem à vida selvagem e à coragem de quem se desafia a si mesmo para ir em busca do que quer da vida. 

 

Admiro pessoas cheias de vida, inspiradoras e com energias graciosas como este escritor. Senti-me encantada pelo seu trabalho desde o primeiro segundo. Espero que escreva bastante e contribua positivamente para a minha estante de livros. Tem aqui uma admiradora.

 

Recomendo claro, desde que histórias unidas à beleza das montanhas ( ou do mundo) vos faça um brilho no olhos. 

 

 

"AS OITO MONTANHAS" | PAOLO COGNETTI (post + vídeo)

Munkee_0708145722.jpg

 

 

Descobri este livro através de uma critica literária num jornal diário. Ainda bem que segui a recomendação e comprei o livro logo de seguida. Foi uma leitura incrível. Comecei muito bem o segundo semestre. 

 

Pietro quando é uma criança vê o pai como o seu herói. Um homem que rouba espaço sempre que aparece neste livro. Consegui sentir o peso da seu silêncio e presença. Alguém que não me parece muito feliz, vê nas montanhas um escape, um amor incondicional e quer incutir esses valores e paixão ao filho. Como acontece normalmente, há um momento em que filhos querem romper com essa relação e criar o seu espaço. Não querem para si as paixões dos pais. Esse rompimento marcante é uma reviravolta entre duas pessoas que permanecerem juntas deste sempre. Ditando assim alguma distância entre os dois. 

 

Quando visita as montanhas com a família acaba por criar uma amizade muito forte com Bruno. Uma amizade empurrada pelas mãos da ternurenta mãe de Pietro. Bruno pasta vacas, é uma criança das montanhas e é essa a única realidade que conhece. A amizade deles foi o que mais me marcou (entre outras coisas) nesta história. É de uma força imensa, onde as palavras são apenas as necessárias. São muito diferentes, mas acabam por ter uma cumplicidade fantástica.

 

As mulheres das montanhas têm uma vida difícil. Vivem num mundo machista, onde são silenciadas pela distancia dos seus maridos. Achei a abordagem do autor muito interessante. Mostra o que desconheço revelando a sorte onde nasci. É preciso sorte para nascer. As mulheres não aceitam o lugar onde nasceram como uma condicionante para os seus sonhos. Prefiro acreditar nisso. O seus sonhos podem ser apenas viver como pessoas livres num mundo mais genuíno como as montanhas. Não há mal nenhum nisso. Neste livros todas as mulheres são iguais a elas mesmas: fortes, genuínas e carismáticas. Mantém casamentos com maridos ausentes e calados. 

 

Paolo Cognetti, o italiano que divide a sua vida entre a cidade e as montanhas escreve de uma forma que me encantou e marcou. Este livro é sobre tantas coisas. Família, e a forma como tudo nos influencia desde a infância. Amor, várias formas de amar. Aventura, a busca desenfreada por um lugar no mundo. Amizade, a profunda amizade sem a troca mecânica tão comum nos tempos modernos. Vida, o que temos de realmente importante nela. Morte, como a vida continua sempre.

 

Recomendo imensamente este livro. Um dos favoritos deste ano. 

 

 

Fica a pergunta: O que pensam sobre as amizades entre homens? 

 

 

  goodreads twitter instagram facebook

leitora beta * divulgação * literatura *

contacta-me para mais informações contactoclaudiaoliveira@gmail.com
guia-de-viagem-skyscrapper

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D