Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

amulherqueamalivros

Ter | 10.12.13

"Revolutionary Road" de Richard Yates

Cláudia Oliveira




Este romance é intemporal apesar de retratar a sociedade americana do século 50. Frank e April Wheeler são um casal com dois filhos. Ela, dona de casa, torna-se numa mulher frustrada por falhar no seu sonho em ser actriz. Ele trabalha numa fábrica com dias monótonos, com um ambiente pouco motivador. Após mais uma discussão, decidem que podem largar a vida chata em Connecticut e ir morar para Paris.

 

Todos os momentos são muito bem narrados pelo autor Richard Yates, dando credibilidade aos personagens assim como a toda a história. Desconhecia a escrita do autor, fiquei surpreendida de forma positiva com este livro. Apesar da narrativa ser lenta e detalhada, a história absorveu-me até à última página. 


Gostei da construção de todos os personagens. Simpatizei em particular com uma personagem secundária que considero muito importante para o trauma. Um maluco que não é assim tão maluco. O autor brincou ao longo da narrativa com o estereótipo de normalidade e loucura. Achei interessante esse jogo. 


Frank tem um lugar especial neste romance. É escrito na 3ª pessoa, mas acompanhamos os seus passos a maioria das vezes. Apesar de não concordar com algumas atitudes, entendi este homem. Gostei menos da personalidade de April. 


O romance fala essencialmente das aparências de uma sociedade feita para casar, ter filhos e viver de um emprego entediante. Em como a sociedade tem problemas em arriscar e seguir os seus sonhos. Com medo do que os outros vão dizer/pensar. Engraçado, quando o casal Wheeler decide contar a outras pessoas que vão viajar para Paris e mudar de vida, a maioria olhar com desprezo essa atitude, chamando-os de imaturos. E nesse momento, nesse preciso momento, esses olhares são os mesmos que percebem as vidas infelizes que têm. A coragem dos outros abala a nossa segurança ou mexe na ferida. 


O final representa o sonho destruído, a incapacidade de aceitar a vida como ela é.


Recomendo a leitura para quem gosta de passar vários dias com um bom livro ou precisa de inspiração para a vida.