Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

amulherqueamalivros

Ter | 19.05.15

10 tipos de bloggers por esta blogoesfera fora

Cláudia Oliveira

Oportunistas, textos onde se fazem aos destaques dá para topar à distância. Qualquer peregrino sem internet percebe, só para verem o tamanho do rabo de fora. 

Fala fala mas não diz nada, quer armar a confusão e não sabe como ser o centro das atenções. Foca-se num assunto polémico, fala fala mas não diz nada em concreto. 

Sabichões, a puta da mania que sabem tudo. Neste posso incluir-me, sem orgulho mas com evidente certeza que é esta a imagem que passo. Nem todos somos oportunistas, graçasadeus. 

Engraçadinhos, metem graça em tudo o que escrevem. Ninguém os leva a sério, mas interessa é a malta rir e comentar com "ahahahahahahha".

Do contra, são os mais irritantes. Querem fugir aos rebanhos mas acabam por pertencer a outro rebanho. Nunca concordam com nada. Odeiam pessoas, mas não sabem.

Invejosos, perseguem os comentadores dos outros na esperança de receberem comentários.  Querem ser os mais lidos, mas no fundo toda a gente sabe por quê que são lidos. 

Badalhocos, só para provar que os da alta não são melhores. É possível ser feliz sem dinheiro.  

Mães, os meus preferidos. Exceto se colocarem fotos com crianças na sanita. As mais doces. 

Excluídos, ninguém os conheço. 

Inspirados, não escrevem nada sem lerem os outros blogs. Primeiro a inspiração, depois o tema. São os menos criativos.

 

A qual pertences? Nenhum? É possível. 

 

Ter | 19.05.15

Dlog #84 | Não estou sempre a ler

Cláudia Oliveira

IMG_4422.JPG

IMG_4424.PNG

IMG_4438.PNG

 Bom dia alegria,

ontem terminei dois livros. Barba Ensopada de Sangue de Daniel Galera e O Sentido do Fim de Julian Barnes. Adorei os dois. Comecei Franny e Zooey de Salinger, já li setenta páginas e estou a gostar imenso apesar de ter começado muito bem, o ritmo da narrativa quebrou-se com o capitulo do Zooey. Este mês está a ser muito bom a nível de leituras. Contudo, tenho ido a festas, teatro e dado passeios. Não passo os dias a ler como costumam afirmar fazendo da minha figura uma moça de óculos postos, escondida num quarto agarrada aos livros. 

Seg | 18.05.15

Qual foi o livro mais violento que já leste?

Cláudia Oliveira

Os livros de George RR Martin são muito violentos. Lutas entre espadas, batalhas, não fosse a Guerra dos Tronos. Chegam a arrancar olhos. Entre outras coisas mais. Sangue e muitas mortes faz desta saga a mais violenta que conheço. Os Jogos da Fome de Suzanne Collins também são livros com um elevado grau de violência. 

 

Os livros sobre a Segunda Guerra Mundial são os mais violentos. A xenofobia é a maior atrocidade que o homem pratica contra o seu semelhante. Alguns contam fatos verdadeiros, outros andam muito perto. O livro Se Isto é um Homem de Primo Levi é o livro mais violento que já li, ou recordo ler. Primo Levi expõe a sua experiência, é difícil ficarmos indiferentes. 

 

A violência pode manifestar-se de diversas forma. Bullying, perseguição, chantagem emocional ou maldade gratuita. Livros como Milagre de r.J. Palacio e Por Lugares Incríveis de Jennifer Niven abordam diferentes pontos de vista em relação ao bullying. Vi um filme violento que me marcou bastante chamado Precisamos Falar Sobre Kevin, ainda não consegui ler o livro de Lionel Shriver mas pretendo. Clube da Luta é um livro violento, consegue que o leitor sinta nojo em vários momentos. 

Um livro que me impressionante o suficiente para passar várias semanas agarrado a ele foi A Sangue Frio de Truman Capote. Sobretudo por ser baseado numa história verídica. O autor faz um trabalho jornalista fascinante. Cheguei a sentir medo de estar sozinha em casa. 

O conhecido livro O Perfume de Patrick Suskind tem uma das histórias mais macabras. Nunca o esqueci, nem as sensações que obtive durante a leitura. 

 

Sou contra a violência, fujo de uma cena de pancadaria a sete pés. Mantenho-me longe de lugares onde a violência é propicia. Massas fanáticas deixam-me nervosa. Numa discussão nunca sou aquela que oferece uma chapada, dá um empurrão. Chamem-me cobarde. Acredito que a violência não é necessária entre duas pessoas adultas.

 

Impressiono-me bastante com cenas de violência. Gosto de livros que procovam em mim alguma emoção, boa ou má. Sobretudo má. Gosto de me chocar. Sejam histórias verdadeiras ou não. Queimada Viva foi o primeiro livro que me chocou. Descobrir que existem mulheres condenadas à morte por leis feitas por homens perturbou-me imensamente. Este livro fez-me perder uma parte da ingenuidade própria daquela idade. 

E tu? Qual foi  livro mais violento que já leste?