Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

amulherqueamalivros

Sex | 17.06.16

Clube dos Clássicos Vivos | Livro de Julho

Cláudia Oliveira

Chegou o dia de revelar o clássico do próximo mês. É um livro que esteve várias vezes para votação do Clube dos Clássicos Vivos mas nunca venceu. É de uma autora que nunca li, mas tenho muito interesse em conhecer. O livro de Julho é O Coração é um Caçador Solitário, de Carson McCullers. Vamos? A leitura conjunta começa no dia 1 de Julho, a discussão no dia 1 de Agosto. 

IMG_0482.JPG

IMG_0466.JPG

 

Seg | 13.06.16

Tá Todo Mundo Mal | Jout Jout

Cláudia Oliveira

IMG_0382.JPG

 

No Goodreads

Minha pontuação 4.5*

 

Não vejo os vídeos todos do canal desta youtuber, mas aprecio o seu trabalh. Ela é uma pessoa especial e bonita. Defende causas necessárias e admiro o facto dela dar a cara por essas causas.

 

Quando comecei a ler este livro fiquei logo conquistada pela forma engraçada como escreve. É divertida e inteligente. Ela chama este livro de livro de crises. Crises em várias fases da sua vida, crises intermináveis que podem ser a história de muitas de nós. Crises com o corpo, com as relações de amizade e amor e até crises com as criticas aos seus vídeos. Vemos como ela aprendeu a lidar com tudo isto e ainda paramos para pensar na sociedade actual. Em nós mesmos e nos nossos medos. 

 

Neste livro conhecemos a Jout Jout que vemos nos vídeos do Youtube. Quase que ouvia a voz dela enquanto lia o livro. Dei risadas, mas também fiquei séria quando o texto pedia a minha atenção e delicadeza. Gostei tanto deste livro, mas tanto, que nunca o larguei durante o caminho até ao ginásio. Só não o li de uma só vez porque não queria que terminasse. Ah, foi bom descobrir que ela adorava viver em Portugal. 

 

Vale muito a pena, a Jout Jout tem coisas para dizer e algumas pessoas precisam escutar e prestar atenção. 

Qua | 08.06.16

Veja Mais Mulheres | The Beginning of Life | Estela Renner

Cláudia Oliveira

 

 

Encontram este documentário na Netflix (8.4 IMdb). Gostaria que toda a gente visse este documentário e realmente mudasse alguma coisa dentro de cada si. Este documentário despedaçou o meu coração, emocionou-me, deixou-me devastada. 

 

A certa altura perguntam a uma menina órfã de mãe, a viver em condições precárias com mais dois irmãos: "Qual é o teu sonho?". Ao qual ela responde: "Não tenho sonhos". Quão triste pode ser uma menina não ter sonhos? Pode alguém viver sem sonhos?

 

Este documentário transmite uma mensagem importante para a sociedade: a humanidade é responsável por todas as crianças. Tem ideias interessantes e que precisam de ser debatidas e postas em prática. Vocês precisam de ver este documentário para entenderem como as crianças são importantes na estrutura do mundo. 

 

É uma homenagem à mãe, a pessoa mais importante para a criança desde o primeiro minuto. Também mostra o papel importante do pai que tantas vezes é diminuído pela sociedade. O desenvolvimento da criança depende de tudo o que a rodeia: uma criança tem mãe, pai, avó, vizinhos, um país, uma nacionalidade. 

 

Este documentário da directora Estela Renner é incrivel. Ela é brasileira e tem 47 anos. Uma hora e meia que fará toda a diferença. Espero.  

Qua | 08.06.16

História de Quem Vai e Quem Fica | Elena Ferrante

Cláudia Oliveira

IMG_0354.JPG

 

No Goodreads

Minha pontuação 5*

 

Meu Deus, livro maravilhoso! Fico apaixonada pela vida quando encontro livros como este. Encontrar-me numa história é fascinante. A sensação de amizade em relação às personagens e o conforto enquanto viajo por fotografias mentais pela minha vida é tão boa. 

 

Neste terceiro volume vamos encontrar personagens mais maduras. Mas o amor dá a volta à cabeça até da pessoa mais sensata, não é verdade? A vida dá voltas e mais voltas. E neste livro vamos ter mais reviravoltas surpreendentes. E claro, vamos ficar penduradas no final inacabado estrategicamente deixado pela autora. 

 

Vários temas necessários abordados e debatidos entre os personagens. O casamento, como um ritual pertencente a uma tradição familiar, e as diferenças entre as ideologias religiosas e politicas. A luta por melhores condições laborais por parte das mulheres num mundo machista. O aparecimento das primeiras máquinas. A sexualidade e a troca de experiências fora e dentro do casamento. O aparecimento da pílula. A maternidade e a solidão na maternidade foram os temas que mais mexeram comigo. Nunca tinha lido um livro que abordasse de forma tão profunda o papel da mulher na maternidade. Este livro fala sobretudo de mulheres e toca em assuntos que muitas de nós reconhecemos como nossos. 

 

Sinto alguma melancolia em ler o ultimo volume. Está a terminar e eu não quero. Pretendo reler os quatro volumes no próximo ano sem a pressa de conhecer o final traçado pela Elena Ferrante. Gostava tanto de abraçar a autora e agradecer-lhe por estes livros.