Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

amulherqueamalivros

Qui | 21.07.16

O Livro | Zoran Zivkovic

Cláudia Oliveira

LTWM9921.jpg

 

No Goodreads

Minha pontuação 4*

 

O livro é o narrador deste livro e começa desta forma: "Não é fácil ser um livro".


Primeiro começa por mostrar a importância dos livros para a memória da humanidade. "Teriam esquecido tudo. E como poderia alguém apresentar-se como um indivíduo inteligente, se não recordasse o seu próprio passado, incluindo o passado recente?". Chama a atenção para o tratamento que damos aos livros, como deviam ser tratados. Afinal eles dão tanto e pedem tão pouco em troca. Compara os livros às mulheres num mundo machista. Como serviram de objecto de puro exibicionismo desde o aparecimento da roda, divagando por vários tipos de leitor e sentimentos em diversas situações.

Existe uma pequena referência à famosa casa de banho que continua no primeiro lugar de popularidade para os leitores. Faz questão de mostrar que se sentem humilhados nessa situação privada.

Este livro fez-me reflectir sobre a minha postura como leitora e na minha relação com os livros. Fica o aviso: se este livro for lido por uma pessoa que adora sublinhar as melhores partes, não irá largar a caneta até chegar ao fim. Aliás, só para que saibam, os livros não gostam de ser sublinhados.

O livro vai passear pelo quotidiano e analisar a nossa relação com os livros, vai entrar na nossa privacidade e dizer o que pensam. A humidade pelos olhos de um livro. Parece interessante? É muito interessante!

Discordei de algumas comparações que este livro resmungão faz. Sobretudo quando fala nas bibliotecas. Mas não vos vou contar com quem relaciona as bibliotecas. Precisam de ler para descobrir. Depois podemos voltar a falar no assunto.

 

Fica a recomendação sobretudo para os leitores que adoram, como eu, ler sobre livros. Eu pretendo ler tudo o que este autor escreveu. 

 

Sab | 16.07.16

Mystic River | Dennis Lehane

Cláudia Oliveira

IMG_1665.JPG

 

No Goodreads

Minha pontuação 4*

 

É o segundo livro que leio deste autor e mais uma vez gostei muito. Não costumo ler policiais, mas durante as férias gosto imenso. Este ano não foi excepção. Já me tinham recomendado este livro, quando o vi na biblioteca não resisti. É uma autor que não desilude. Pretendo ler brevemente mais um, trago na minha próxima visita à biblioteca. 

 

Sean, Jimmy e Dave são amigos. Enquanto brincavam na rua são abordados por dois homens que se apresentam como policias. De forma ameaçadora, conseguem convencer o Dave a entrar no carro e desaparecem. Na verdade, não são policiais e vão abusar do pequeno. Este episódio irá marcar a vida dos três, sobretudo do Dave que mais tarde aparece e afasta-se dos amigos. Anos depois, os três irão encontrar-se depois da filha do Jimmy ser encontrada morta. Sean é policia e vai investigar o crime. 

 

O enredo é fantástico. Dennis tem um talento imenso em criar personagens complexas, profundas. A história consegue prender e surpreender em alguns momentos. Tem a intensidade certa nos momentos mais emotivas. Para além do crime principal somos levados a conhecer os problemas que outros personagens carregam. É muito bom.

 

Depois do livro, fui ver o filme. É bastante fiel e recomendo imenso. Interpretações excelentes. Claro que não me surpreendi em momento algum, mas valeu muito a pena. 

 

Recomendo muito. 

Sab | 16.07.16

Um pouco de cinema com... Psicopata Americano

Cláudia Oliveira

13681043_10154283663259323_6093899332870663663_n.j

 

Como é que nunca tinha ouvido falar neste filme?

 

Recentemente dei de caras com a nova edição do livro Psicopata Americano, mas foi por causa do vídeo da Dora (viciada nos vídeos dela, vejam!) sobre o filme e o livro que decidi assistir. E não saí defraudada, pelo contrário, foi uma excelente experiência. Adorei! E recomendo imenso!

 

Patrick Bateman (Christian Bale) é um homem inteligente, rico, bem sucedido, com uma aparência fantástica. Tem um gosto pela música muito bom. Vive rodeado de pessoas do mesmo nível. Pessoas obcecadas e bastante competitivas. O filme é realmente uma critica a uma sociedade que vive da aparências.  

 

A banda sonora é brutal. Adorei. As cenas de violências comandas pelo ritmo da música estão brutais. Este filme tem cenas inesqueciveis. É aquele genero de filme que perdura, marca, questiona. Adorei absolutamente. As interpretações são fantásticas. Christian Bale está poderoso neste filme. E o que dizer deste final? Surpreendente! 

 

8/10

Sex | 15.07.16

Um pouco de cinema com... Mia Madre

Cláudia Oliveira

 

Finalmente vi o filme do realizador italiano Nanni Moretti. Este filme recebeu vários prémios em 2015.

O enredo é simples. Conta a história de uma mulher que lida com o divórcio, está a produzir o seu primeiro filme e tem a mãe doente. A actriz Margherita Buy que dá vida à protagonista está excepcional. Aliás, todas as interpretações são fantásticas. Gostei da carga nostalgica que o filme transmite. Esta mulher tem de enfrentar diversos desafios e nós somos absorvidos pelas suas preocupações. Ter a mãe numa cama de hospital deve ser duro. E realmente eu sofri com a protagonista. 

Gostei, mas tem vários momentos chatinhos.