Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

amulherqueamalivros

Banner billboard da campanha 50% desconto desenvolvimento pessoal
Qui | 27.04.17

VEDA #27 #GIRLBOSS

Cláudia Oliveira

 

 

Depois de ler o ebook escrito pela Sophia Amoruso, decidi ver a recente série da Netflix, "Girlboss". 13 episódios bem humorados. Diverti-me muito. É uma série divertida e leve. Ideal para quem está a fazer VEDA. Neste vídeo falo um pouco  sobre o livro e comento a primeira temporada completa. Com spoilers.

 

goodreads twitter instagram facebook

Qui | 27.04.17

PROJECTOS QUASE QUASE A BOMBAR

Cláudia Oliveira

"CineSerao Expresso" começa já este sábado e vai até segunda feira. Uma maratona intensiva de filmes com seis categorias promovida pela Catarina e pela Chris. Vejam tudo no blog Serão no Sofá. Pretendo participar. O tempo não está bom para ir à praia. Então...

1) filme de animação
2) filme europeu ou asiático
3) filme político ou social (em honra do 25 de Abril e 1 de Maio)
4) filme indie (sugerido pela Chris)
5) filme do top 250 IMDB (sugerido pela Cat)
6) filme pertencente a uma saga (sugerido pelo Quim)
 
"5 Livros para troca" . A Holly está a trocar livros inspirada pelo 1º Encontro do Clube dos Clássicos Vivos. Espreitem AQUI
 
Leitura conjunta de "A Boneca de Luxo", de Truman Capote. Com direito a encontro na Feira do Livro em Lisboa no primeiro fim de semana. Espreitem o Clube dos Clássicos Vivos AQUI. A leitura conjunta e discussão acontece no mês de Maio e Junho.
 
"Especial Literatura Fantástica". Começa dia 15 de Maio e vai até dia 19 de Maio. Uma semana com muitas sugestões com meninas queridas do booktube. Mais informações brevemente. Promovido por mim com participações especiais. 
 
 
Qui | 27.04.17

LANÇAMENTO | AS COISAS QUE PERDEMOS NO FOGO | MARIANA ENRIQUEZ

Cláudia Oliveira

Uma frase. Preciso deste livro! Dia 5 nas livrarias. Leiam a sinopse e vejam se não concordam comigo. 

 

SINOPSE

 

A sua escrita tem sido comparada à de um Poe do século XXI, à de Roberto Bolaño e à de Cortázar. Com estes partilha temas e, sobretudo, universos inquietantes, sombrios, em que o leitor perde rapidamente o pé e é arrastado para regiões malévolas, incontroláveis (da mente humana, do dia-a-dia) que o vão assombrar, insidiosamente, durante muito tempo. Certo é que Mariana Enríquez, que prepara já o seu próximo romance, cruza magistralmente a grande tradição latino-americana com uma voz muito própria, a sua: e que é feroz, visceral, feminista, política e humorística.

Qui | 27.04.17

LANÇAMENTO | LIVRARIAS | JORGE CARRIÓN

Cláudia Oliveira

Pronto, mais um livro para a lista de desejos. Capa linda, check. Título apelativo, check. Sinopse com tudo o que mais amo, check. Dia 12 de Maio nas livrarias. 

 

SINOPSE

 

Qual é o significado das livrarias no imaginário coletivo? Qual é o seu papel na História das Ideias e das Letras? Neste brilhante ensaio, Jorge Carrión cria uma possível cronologia do desenvolvimento das livrarias e da sua representação artística - como se transformaram em mitos culturais, em centros de tertúlia e de resistência política.

A Livraria Bertrand do Chiado tinha de ser uma das escolhidas, assim como a Strand, de Nova Iorque, as parisienses La Hune e Shakespeare and Company, a Librairie de Colonnes de Tânger, City Lights de São Francisco e muitas outras.

Qui | 27.04.17

"NO CORAÇÃO DO IMPÉRIO" | ALEXANDRA VIDAL

Cláudia Oliveira

Munkee_0426142232.jpg

Primeiro romance histórico deste ano. Para quem, como eu, está a começar a ler históricos, escolhi o livro certo. Li-o num ápice ao contrário do que esperava. Gostei de ser surpreendida.

 

Na primeira página somos empurrados para o século XVI, um carregamento de escravos vindos do Congo chega a Portugal. Foi esta página que me prendeu de imediato. O sofrimento das mulheres durante a viagem destroçou-me. Violadas, maltratadas e conduzidas para lugares completamente desconhecidos longe das suas famílias. Arrepiante.

 

"Muitas mulheres foram violadas pelos homens brancos. De unhas grandes e disformes, com a boca deformada pelo escorbuto, eles davam livre rédea ao prazer com a carne agrilhoada das fêmeas em cativeiro. Talvez se tivessem transformado em estranhos cadáveres, mortos que respiram mas não sentem, a quem já foi roubada a alma."

 

A escrava Imani, baptizada pelo frades portugueses de Maria da Esperança, é a protagonista desta história. Uma mulher inteligente, com enorme sede de conhecimento. É enviada para aprender a escrever e a ler quando é colocada na corte de D. João III, para servir a rainha D. Catarina de Áustria. O seu professor é o homem pelo qual se apaixona, o gramático Rodrigo Montalvão. O romance acontece muito rápido. Uma paixão arrebatadora entre livros, num piscar de olhos e meia dúzia de palavras trocadas.

 

 A história é escrita de forma despretensiosa, leve e pouco descritiva. Estive sempre interessada no romance central. Li metade sem dar pelas páginas voarem diante dos olhos. Não tem descrições longas e detalhadas para quem está à espera de muitos pormenores sobre o terramoto ou a corte de D. João III. Fica o aviso. É tudo muito rápido neste livro. Tão rápido que fiquei baralhada em alguns momentos. Senti falta de mais explicações em outros. Contudo, estive a torcer pelo casal improvável até ao fim.

 

Mas o final...

 

Não gostei. Foi apressado, não foi intenso. Foi uma correria de acontecimentos sem explicação. Pouco ou nada sobre os estragos do terramoto. Personagens com atitudes pouco coerentes. Uma pena, a autora tinha nas mãos uma boa história mas não conseguiu concretizar nem manter uma narrativa coerente até ao fim. 

 

Como primeira experiência, valeu a pena. Uma leitora assídua de romances históricos provavelmente vai ter outra opinião. 

 

(livro cedido pela editora)