Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

amulherqueamalivros

Dom | 22.10.17

TAG HALLOWEEN

Cláudia Oliveira

PERGUNTAS:

1) O que você não gostaria de encontrar a noite em uma floresta?

2) Qual o seu monstro ou vilão favorito?

3) Qual foi a coisa mais assustadora que já aconteceu quando você estava sozinha?

4) Se te desafiarem a dormir numa casa mal assombrada, você toparia?

5) Você é supersticiosa?

6) Você acredita em universos paralelos?

7) Você se assusta facilmente?

8) Você iria em um cemitério a noite?

9) Você prefere ir em uma festa de halloween vestida de monstro ou uma festa a fantasia vestida bonitinha?

10) Em um filme de terror você é a menina que morre primeiro, a sobrevivente ou a assassina?

11) Com quantos anos você assistiu seu primeiro filme de terror?

12) Qual foi a primeira fantasia de halloween que você usou na vida?

13) Se você pudesse ter um animal de estimação de halloween qual seria: um gato preto, uma coruja, um morcego ou um lobo

 

goodreads twitter instagram facebook

Sex | 20.10.17

DE 5 EM 5 + LEITURAS EM ANDAMENTO ( 37)

Cláudia Oliveira

 

Mais um vídeo onde falo nas ultimas leituras concluídas e no que ando a ler.

Estão interessados em ler algum? O que andam a ler? Partilhem comigo!


Livros lidos mencionados
“Menina Boa Menina Má”, Ali Land
“O Caminho Imperfeito”, José Luís Peixoto
“A Luz da Noite”, Graham Moore
“Origem”, Dan Brown
“A Carne”, Rosa Montero


Qui | 19.10.17

NOVIDADE | "O LIVRO DE EMMA REYES" | EMMA REYES

Cláudia Oliveira

O Livro de Emma Reys_small.jpg

 

Viciada em livros de não fição aguardo ansiosamente por este livro para partilhar convosco a minha experiência de leitura. Espero um grande livro. Já está nas livrarias. 

 

SINOPSE

O Livro de Emma Reyes – Memória por Correspondência relata as memórias da duríssima infância – de abandono e exploração – da pintora colombiana Emma Reyes.  É também uma história de superação de inimagináveis circunstâncias por parte de uma mulher conduzida pela sua vontade férrea de liberdade.

Quando surgiu pela primeira vez na Colômbia, em 2012, quase dez anos após a morte da autora, esta autobiografia epistolar foi imediatamente considerada como um clássico. Em 23 cartas dirigidas ao amigo Germán Arciniegas, Reyes conta a história da sua infância e juventude, sem artifícios nem sentimentalismos, mas com competência e encanto narrativo raros. Publicado em mais de uma dezena de países, o livro conta com introdução de Leila Guerriero e dois textos finais, um por Gérman Arciniegas e outro por Diego Garzón.

Esta é uma correspondência capaz de transcender o tempo em que foi escrita, fixando os contornos de uma vida excecional.

Ter | 17.10.17

"A CARNE" | ROSA MONTERO

Cláudia Oliveira

share_241_171017170619.png

 

O contraste de duas pessoas perante o abandono e o amor. 

 

O gigolô Adam é contratado para fazer ciúmes ao ex marido de Solelad num evento de arte. De forma subtil acabar por invadir a vida desta mulher insegura. Durante o prazer e conversas fugidias as histórias entrelaçam-se num sofrido sentimento de solidão. A necessidade de amor ou uma simples companhia acaba por juntar este improvável casal . Solelad é uma mulher madura com extremas inseguranças em relação a si mesma. E na verdade, não é tão madura assim. Desde crises de meia idade a lutas com a razão ela transmite energias negativas durante todo o livro. A nível profissional é segura e muito disciplinada. Mas as aparências iludem. Os seus medos são extremamente expostos após o fim da sua relação, sobretudo com a vida bela das pessoas à sua volta. Ela tem 60, não tem filhos (nem quer), nem aparentemente uma vida amorosa dentro dos padrões.

 

Este livro foi uma experiência de leitura angustiante. Nunca senti simpatia pela Soledad, nem entendi as suas motivações. Também nunca a julguei, apesar das atitudes que demonstram um enorme desequilíbrio emocional. Nem o rumo que a autora decide dar à história me convenceram. O melhor deste livro são os apontamentos relativos aos escritores malditos que faz parte de um projeto da Soledad. Uma ideia absolutamente interessante que merecia todo o protagonismo.

 

Pensei muito no mundo injusto construído para julgar as mulheres. As mulheres que não querem ter filhos e ainda são muito criticadas. Não podem simplesmente dedicar a vida à carreira, nem estar sozinhas. São trocadas por mulheres mais novas por homens que não suportam a ideia de ficarem velhos. A carne marcada pela vida, atingida inevitavelmente pela idade pode transformar o rosto e não transformar a alma. A loucura presa a fantasmas e uma grave necessidade de amor. 

 

O desenvolvimento do casal pouco convencional deixa muito a desejar. Com cenas incoerentes, parecidas com um argumento de uma comédia romantica fiquei um bocadinho desiludida depois de tantos elogios à escritora espanhola Rosa Montero. No entanto, não vou desistir dela. Apesar das personagenas gostei das reflexões consequentes desta história e fiquei imersa na leitura. Nada é bonito neste livro, nem é para ser. A verdade pode provocar repulsa. 

 

Não foi o livro certo para começar a ler Rosa Montero. Tenho ainda na estante "Instruções para salvar o Mundo", editado também pela Porto Editora.

 

(livro cedido pela editora)

Ter | 17.10.17

LIFE IS MIXTAPE | DUSK TILL DAWN | ZAYN FEAT SIA

Cláudia Oliveira

 

 

Existem músicas que despertam em mim sentimentos tristes, felizes e profundamente emocionantes. É o caso de "Dusk Till Dawn" (Feat Sia), do ZAYN.

 

Quando os meus olhos bateram neste videoclip na tarde de sábado fui atingida pelo poder da minhas lembranças carregadas de sentimentos. Foi como abrir uma espécie de baú cheio de fotografias e encontrar aquilo que já fui. E ainda sou, em menor quantidade. Aquela menina que ama o pôr do sol e acorda mais cedo que o planeta para encontrar os primeiros raios de sol. Aquela destemida de amor e apaixonada pela vida. Aquela que preparar o terreno para o amor, que entrega tudo na mão da paixão e do perigo. Que adora a vida entre altos e baixos, porque assim tem mais graça. No entanto, hoje prefiro os abraços e menos aventura. 

 

 

O ambiente deste videoclip é obscuro. Muito escuro também. O amor no limite, na corda bamba entre perseguições e perigos. Até bombas mete.  As vozes do ZAYN e da Sia ficam lindas, combinam bem. Aliás, o ZAYN conquistou-me com as suas últimas músicas. Gosto praticamente de todas. Tem escolhido bem as parceiras, o menino é esperto. Taylor, Sia. E depois aquela carinha laroca, com aquela voz. Adoro!

 

Bem esta é a música deste mês. Em modo repeat porque eu gosto muito destes dois. E sinceramente acho que este menino vai longe. 

 

O que acham desta música e do percurso do ZAYN?

goodreads twitter instagram facebook