Antes de vires para aqui dizer que os números não são importantes e que o mais importante é a interação beca beca podes parar. Eu sei o que é mais importante para mim e tu sabes o que é mais importante para ti. No entanto, ter seguidores fantasmas não servem para nada. Ter cinquenta mil pessoas que nem sequer lêem aquilo que eu escrevo também não me interessa nada. Será que vale a pena pagar pela publicidade no Instagram para ter mais seguidores?

Gosto de ter interação porque gosto de ter interação, não tem nada a ver com ganhar parcerias. Não sou aquela doida que coloca uma pergunta em todas as fotos publicadas para receber comentários e tanto faz o que é comentado. Não! Eu gosto de ler comentários, gosto de ler a opinião dos outros e receber sugestões. Seja nas fotos ou no canal no YouTube. É gratificante, acabo por saber se vale a pena dar-me ao trabalho de escrever determinada lista ou gravar determinado vídeo.

Não ganho nada com os meus vídeos. Nem um cêntimo, acabaram com isso para os canais pequenos. Para eu voltar a receber dinheiro através dos meus vídeos preciso de ter não sei quantos mil seguidores e não sei quantas horas de visualizações ao longo de um ano. O que presumo ser difícil nesta vida, sobretudo neste nicho. Cheguei a receber cerca de 4 € no máximo por mês, o que deu cerca de 48€ por ano. Dois livros e está gasto.

Uma pessoa insiste porque ama isto. No blog ganho um valor em crédito através do link de afiliado da WOOK, se comprares com o meu link. É aquilo que mais me motiva, sinto que devo continuar a escrever, a publicar e a recomendar livros. É esse valor que me permite apresentar resultados verossímeis para trabalhar de outras formas. Eu vendo livros, tenho provas! Entendes? E cada compra tua é uma forma de apoiares aquilo que eu faço aqui. Não imaginas como eu agradeço o gesto. Como é que eu ganho/ganhei dinheiro com este projeto? Um dia podemos falar sobre isso de forma mais especifica, o que achas?

Em todos os cursos, mentorias e workshops que tirei de marketing digital falaram do poder da publicidade do Instagram. Decidi experimentar depois de ver alguns bookstagrammers no meu feed com publicidade paga. Se insistem é porque deve valer a pena, really? Nada como experimentar e relatar a minha experiência.

O primeiro passo foi escolher uma foto apelativa. Decidi selecionar o projeto DO QUARTO PARA O MUNDO para divulgar o meu arroba amulherqueamalivrospt. É um projeto que costuma ter muita procura no meu blog e respetivas redes sociais porque não há nada igual. Ok, já existem vários projetos dentro da temática leitura de viagens, mas igual ao meu não há. Nem com o meu formato. Nessa foto para além de apresentar aos leitores a ideia, também dou informações de títulos que podem ler. Ou seja, escolhi algo criativo e informativo. Para ser mais uma, prefiro estar quieta.

Depois entrei nas definições para promover a publicidade. Selecionei o público automático, para seis dias com localidade de Lisboa. Cada dia custa 5€, ou seja, iria pagar 30€.  Não fica logo ativo, a aprovação demora cerca de 24 horas.

Quando ficou ativo comecei a receber vários likes na foto escolhida e novos seguidores. No primeiro dia foram cerca de 30 pessoas novas. E não estamos a falar de marcas ou pessoal que só mete like porque sim. Pelo que vi são pessoas realmente interessadas em literatura, gostaram da ideia, comentaram e seguem uma ou duas contas no Bookstagram.

Acabei por deixar a publicidade apenas 5 dias porque ao quinto dia percebi que o número de seguidores baixou e não valia a pena estar a pagar. Ou seja, gastei 25€.  Graças a esta publicidade consegui chegar ao 4K, o meu objetivo de 2019 que infelizmente não consegui alcançar.

Números maiores permitem que o meu conteúdo chegue a mais pessoas. É uma consequência natural. Maior audiência permite que eu tenha maior possibilidade de “vender livros”, “vender o meu curso online Organização com Bullet Journal” e maior visibilidade para os projetos que desenvolvo. Por isso, prefiro ter mais números porque a chance de ter mais interação também é maior. Aliás, se conseguir chegar aos 10K vou ter direito a swipe up, é algo que me irá facilitar imenso na hora de direcionar para o meu conteúdo. Por isso sim, prefiro ter mais seguidores.

Há dois anos disse várias vezes que o Instagram seria a rede social preferida da maioria. A maioria estaria a trabalhar com a rede. A tendência seria essa. Tinha razão. O YouTube está a morrer com tantas leis novas, tantas regras e obstáculos. Atualmente as influenciadoras fazem mais vídeos para o IGTV porque as pessoas passam mais tempo no Instagram.

No final dos 5 dias ganhei 120 seguidores novos. 659 visitaram o meu perfil, mas pelos vistos só 120 acharam graça ao meu feed. Ossos do ofício. Das 120 pessoas, 51 pessoas visitam o meu site. E recebi algumas notificações de vendas pelo link de afiliado. A interação reduziu um bocadinho depois de finalizada, o Instagram privilegia quem está a pagar, mas nada de muito evidente. Também ganhei novos subscritores no YouTube, uns cinco talvez. O meu blog tem tido muita adesão, mas está relacionado com o meu trabalho criativo e informativo. Podia colocar publicidade no blog, mas não quero que os meus leitores sejam contaminados com publicidade a toda a hora. Eu não gosto.

Conclusão, acho que a publicidade pode facilitar na hora de divulgar o teu trabalho ou projeto novo. Recomendo que escolhas bem a foto e penses nas motivações. O que pretendes realmente? Eu quero que o projeto seja mais divulgado, quero atrair mais leitores com gosto literários abrangentes e chegar aos 10K para ter o swipe up. Mas não quero seguidores fantasmas, como vejo por aí. Isso não me interessa nada.

Vale a pena pagar para publicidade no Instagram para teres novos seguidores, mas precisas de ter conteúdo diversificado e informativo, um feed bonito e ser uma pessoa criativa.  Caso contrário os seguidores que ganhaste deixam de seguir porque não estás a acrescentar valor. Concordas?

Espero ter ajudado. Se tiveres alguma dúvida deixa a tua mensagem que farei questão de responder.