Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

amulherqueamalivros

28.05.18

UM DE NÓS MENTE | KAREN M. MCMANUS

Cláudia Oliveira
 Foi o primeiro thriller young adult que li nesta vida. Ouvi falar muito neste título na comunidade do booktube brasileiro e estava super curiosa. Quando a Gailivro lançou a edição portuguesa com esta capa linda fiquei entusiasmada. Estava de facto muito curiosa e peguei nele assim que pude.  Um grupo de jovens fica de castigo numa sala de aula. Um deles morre. Alguém é o culpado? Quem terá sido? Bronwyn, Nate, Cooper ou Addy? O livro vai desvendar esse mistério capitulo após (...)
16.05.18

NO JARDIM DO OGRE | LEILA SLIMANI

Cláudia Oliveira
 No Jardim do Ogre foi o primeiro romance escrito pela autora Leila Slimani recentemente publicado pela Alfaguara. É a autora de um dos meus livros preferidos do género thriller psicológico, Canção Doce, vencedor do prémio Goncourt. Leiam, não se vão arrepender, promessa de quem ama livros. Não dá para parar, nem ficar indiferente à sua escrita.  É absolutamente fantástico. Neste (...)
08.05.18

A GRANDE MAGIA | ELIZABETH GILBERT

Cláudia Oliveira
 Quando comprei A Grande Magia, da escritora Elizabeth Gilbert estava numa fase da vida cheia de vontade de fazer coisas. Era mesmo o momento certo para pegar nele e absorver tudo. Estava, de alguma forma, à procura de inspiração e encorajamento quando peguei nele. Da autora já li dois livros. O mais conhecido Orar, Comer e Amar, e o menos conhecido, A Marca de Todas as Coisas. Não gostei do primeiro, adorei o segundo. O primeiro não me cativou, o segundo deu-me a conhecer uma (...)
07.05.18

AFINAL AS FEMINISTAS ATÉ GOSTAM DE HOMENS | PATRÍCIA MOTTA VEIGA

Cláudia Oliveira
  Nunca fui ofendida diretamente por defender o feminismo. No entanto, criei algum distanciamento com algumas pessoas por ausência de identificação. Ainda fervo com comentários machistas dá-me coceira as bocas desagradáveis ou perseguições a mulheres feministas por homens cobardes escondidos atrás de um teclado.  Ah como eu adorava ver algumas pessoas terem coragem de dizer na cara o que dizem nos seus blogues ou redes sociais. Há muita falta de informação, consequentemente (...)