Adianto que não sou leitora veloz de fantasia. Quando ouvi falar das Crónicas Gelo e Fogo fiquei curiosa, sobretudo porque diziam muito bem dos personagens. Não são bons nem maus, são complexos. Bons personagens cativam-me. Essencialmente bons personagens aliados a uma boa história. 

A releitura deste livro fez-me estar mais atenta aos pormenores da escrita de George RR Martin. É interessante verificar o que o autor nos vai dando antes de chegar ao verdadeiro desenlace da cena. Com conhecimento de causa, depois de ver a série, relembrar personagens e cenas tem causado uma estranha euforia em mim. 

Cuidado, este post contém  SPOILER. Aconselho que não o leia caso não tenha lido o livro.

O livro começa com o prólogo, uma cena macabra e muito bem escrita. Uma excelente apresentação da narrativa ao ambiente frio de Westeros. O autor criou um mundo chamado Westeros, com sete casas reais, onde apenas um rei governa.

O Rei governante é Robert Baratheon, amigo de infância de Eddward Stark (mais conhecido por Ned). Ned é convidado para ser a Mão do Rei. Mão do Rei é quem assume as responsabilidades do Rei quando este não pode, sendo também o seu conselheiro. Robert e Ned são muito diferentes, um impulsivo, o outro mais calmo. Robert é boémio, adora vinho e mulheres. Ned tem uma família com cinco filhos, pensa antes de agir e leva bastante a sério a honra. Contra a vontade de algumas pessoas, Ned aceita e passa a ser um alvo a abater. Para assumir as suas funções tem de partir para além das Muralhas do Castelo Stark. 

No inicio é um bocadinho complicado decorar tantos nomes e títulos. Existe um mapa e um glossário dividido pelas casas reais  com o nome dos personagens, um quem é quem para ajudar o leitor. Ao longo da leitura vai sendo cada vez mais fácil memorizar e interiorizar tudo. Cada capitulo é contado no ambiente de um personagem em especifico, o autor indica sempre no inicio dos capítulos qual o personagem focado. Nem todos os personagens terão direito a esse destaque, mas é possível conhecer os outros personagens a partir dos diálogos e histórias contadas através do personagem focado. Por exemplo, na Casa Lannister apenas o Tyrion tem direito a esse destaque no entanto conhecemos a restante família através do que ele conta ou através das atitudes dos personagens nos outros capítulos. A leitura desta forma é bastante dinâmica e entusiasmante. 

O melhor desta história, para além do enredo, são os personagens. Complexos, tão reais que o leitor chega a questionar (do fundo do coração) se não terão existido. Duvido que quem leia este livro não sinta ligação com um personagem, no mínimo. No meu caso, com Tyrion. O anão desta história. Ele é sarcástico, inteligente e divertido. Uma das melhores cenas deste livro é quando ele decide assumir os seus crimes. O que eu ri. 

Os filhos de Ned Stark têm um papel muito importante neste livro. Sansa, Arya, Rickon, Bran, Robb e o bastardo Jon Snow. Sansa é a menina bem comportada, educada para casar e ter filhos. Arya é a menina rebelde, parecida com um rapaz e muito querida. Rickon é o personagem com menos importância. Robb é o menino bonito, corajoso e protector. Jon Snow rejeitado pelo facto de ser bastardo vai para a Patrulha da Noite de forma a encontrar o seu lugar. 

Outra personagem de grande destaque é Daenerys Targaryen, uma princesa da antiga dinastia. Ela vive com o seu irmão odioso Viserys. É uma rapariga coberta de medo, obrigada a casar com Drogo, um homem poderoso e influente do clã Dothraki. Acompanhar os seus capítulos é uma verdadeira surpresa. Uma misto de doçura e agressividade. Torci bastante por ela e odiei o seu irmão. 

Este livro tem a quantidade certa de momentos altos. A história não tem momentos mortos, tem acção e suspense na medida certa. A escrita de George é inagualavel, cheia de pormenores onde a ironia está presente aliada a momentos de grande tensão.

Os meus moemtnso preferidos:

– Quando os filhos de Ned Stark encontram crias de lobos, cada um fica com um lobo. Os lobos vão ter um papel participativo na narrativa.

– Todos os momentos entre Ned Stark e Arya. Momentos ternurentos entre pai e filha. 

– Quando Bran cai da Torre depois de ter visto algo que não devia. O meu coração apertou. 

– Quando Sam conta como foi parar à Patrulha da Noite apesar de ser um rapaz bastante medroso. Adoro o Sam. 

– Quando Ned enfrenta o Rei e diz que não concorda com a sua atitude perante uma decisão tomada abandonando a sala. 

– A cena final. 

 

O elemento fantástico está presente. Criaturas misteriosas tomam conta da narrativa provocando medo, sem dar muitas respostas (ainda) ao leitor. 

Este livro é sensacional. Durante toda a leitura fui absorvida para aquele mundo. Quando não estava a ler nunca tirei os personagens da minha cabeça.  Comecei a ler de imediato o segundo volume, A Muralha de Gelo. É impossivel terminar o primeiro volume e esperar para ler o segundo. Pelo menos para mim. 

 

5 estrelas.