Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

amulherqueamalivros

Ter | 20.02.18

A RESISTÊNCIA | JULIÁN FUKS

Cláudia Oliveira

InstaFit_20180203_14323421.jpg

 

Vencedor do Prémio Saramago de 2017, Julian Fuks é um escritor brasileiro filho de pais argentinos editado o ano passado pela Companhia das Letras com o romance "A Resistência". Em 2007 e 2012 foi finalista do Prémio Jabuti e do Prémio Portugal Telecom com os livros "Histórias de literatura e cegueira" e "Procura do romance" respetivamente. Em 2012 foi considerado pela revista Granta um dos vinte melhores jovens escritores brasileiros. "A Resistência" é o seu quarto romance

 

O mote desta história é o irmão adoptivo do narrador agregado à fuga dos pais da Argentina para o Brasil durante o período da ditadura. Contado na primeira pessoa, revela pormenores da história da sua família e do mistério envolto em relação ao irmão adoptado. Com una ligação muito forte a esta história, o Julian Fuks expõe a sua própria história de forma muito intensa e sincera. Revela que sempre teve uma relação estranha com esse irmão adoptado. Que ele sempre foi um estranho ou motivo de brincadeira como é costume entre crianças, "já não és meu irmão". Diria que este livro foi uma forma de aproximação e uma espécie de investigação às raízes da sua família. Mais do que isso, uma homenagem à força dos seus pais.

 

A sua família passou pela ditadura na década de 70 na Argentina. Sendo este um período de várias dificuldades, os seus pais foram para o Brasil para escapar ao regime. Trouxeram consigo esta criança, uma novo irmão. Numa altura em que muitas crianças desapareceram da Argentina devido à morte, fome, exílio e falta de condições para garantir uma vida com condições básicas. Muitas crianças foram dadas para adopção e levadas para longe das suas famílias. 

 

"Resistir: quanto em resistir é aceitar impávido a desgraça, transigir com a destruição cotidiana, tolerar a ruína dos próximos? Resistir será aguentar de pé a queda dos outros, e até quando, até que as pernas próprias desabem?"

 

Este irmão que parece uma figura silenciosa acaba por ser a peça mais importante deste livro. A força dos laços familiares e as recordações que modificam perante a histórias e as certezas de cada um. Com uma escrita excepcional este livro foi uma leitura extraordinária e difícil de largar. Envolvente e forte este romance é uma lufada de ar fresco dentro das minhas leituras. Uma verdadeira surpresa marcada pela narrativa do escritor Julian Fuks. Recomendo muito!

 

goodreads twitter instagram facebook 

 

4 comentários

Comentar post