Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

amulherqueamalivros

Banner billboard da campanha 50% desconto desenvolvimento pessoal
Sex | 21.09.18

CHAMAR AS COISAS PELOS NOMES - VÂNIA BELIZ

Cláudia Oliveira

 

2018-09-21 06.12.32 1.jpg

Editora Arena

Data de lançamento: Setembro, 2018

 

Foi com muita alegria que recebi o livro "Chamar as Coisas Pelos Nomes - Como e quando falar de sexualidade" da editora Arena, escrito pela Psicóloga Clínica e da Saúde Vânia Beliz. Aquele livro que chega no momento certo. Muito informativo, com uma linguagem clara e conteúdo necessário e adequado aos tempos que correm. 

 

Na minha opinião é necessário uma disciplina de Educação Sexual na escola. Para falar dos mais variados assuntos, para quebrar tabus, para informar os adolescentes. Aliás, no infantário alguns assuntos podem ser abordados através de histórias ilustradas, por exemplo. De forma a prevenir casos como violação infantil. Existem muitas formas de o fazer. 

 

Em casa, tento procurar o máximo de informação possível porque também sinto que é um assunto importante na ligação entre pais e filhos. O Gustavo já faz algumas perguntas, "como é que os bebés saem da barriga?" é a mais recorrente. Eu quero estar à altura do meu papel na hora de responder. Quero esclarecer e proteger os meus filhos, como todos os pais.

 

Este livro começa por explicar a necessidade de educar para a sexualidade e as suas vantagens. Depois desenvolve por diversas categorias e faixas etárias, primeiro a infância (rianças dos 0-3 anos; dos 3 aos 5; dos 6 aos 9,...), antes de avançar para adolescência aborda a puberdade das meninas e dos meninos (a fase da descoberta e perguntas) e por fim, a adolescência. Tem capítulos dedicados à preocupação dos pais como a internet, redes sociais,gravidez na adolescência, pornografia., o momento da primeira consulta de planeamento familiar, entre outros. No final ainda reúne vários contactos (desde páginas e links) para ajudar no aconselhamento em sexologia, violência sexual, orientação sexual, violência contra as mulheres, e não só. 

 

Ainda há uma enorme deficiência na comunicação entre pais e filhos no que toca a este assunto. Vejo pelas notícias, pelas conversas que tenho com conhecidos e amigos. Sobretudo em relação à homossexualidade o tabu continua. Os pais precisam e têm o papel mais importante, mostrar a importância das crianças sentirem segurança e conforto consigo mesmas. Sem filtros, com conversas claras. Ninguém é perfeito, mas podemos sempre trabalhar para melhorar a nossa comunicação, não concordam?

 

Um livro essencial para quem lida com crianças, para quem procura mais informações sobre o tema. Está cheio de informações preciosas, dicas fantásticas. Precisa de ser lido e partilhado, com urgência. Recomendo totalmente. 

 

 Pequenos excertos

 

"A nossa sociedade ainda está recheada de estereótipos que contribuem para a desigualdade e, claro, qualquer pai e qualquer mãe terá apenas um desejo para o seu filho ou para a sua filha: que seja feliz, independentemente de ter nascido menino ou menina. Certo?

Ainda estamos a criar as nossas crianças num panorama de desigualdades e não iremos mudar o mundo todo ao mesmo tempo, é certo. Basta sabermos que cada criança é uma oportunidade de mudança! Então, contribuímos para isso mesmo, para que um dia possamos acreditar que poderemos diminuir a violência e disponibilizar às nossas filhas e aos nossos filhos um mundo onde não haja prejuízo em função do seu sexo.

Dar uma boneca a um menino não influencia a sua orientação sexual, mas dá-lhe a oportunidade de experimentar, através do brincar, o papel de pai e de cuidador. "

 

 "Os toques maus devem ser ensinados à criança como aqueles que a fazem sentir medo ou desconforto, ou que vão simplesmente contra a sua vontade. As crianças podem identificar com mais facilidade os toques ou as situações que lhes causam dor - como uma agressão física - mas, terão dificuldades em falar de algo que não identifiquem como errado, principalmente se não estiverem associados a algum desconforto."

 

"Conheça o trabalho da pedagoga Caroline Arcari, que desenvolveu vários recursos para que pais, mães e educadores possam trabalhar este tema com as crianças. Pipo e Fifi são mosntrinhos especiais que ensinam as crianças a ficarem mais protegidas. www.pipoefifi.com.br"