Dlog #86 | Quando não dá mais vale largar

Eu abandono livros. Não o faço durante as férias, na rua. Abandono os livros em qualquer altura do ano. Quando não dá mais vale largar. Como as relações. Estão a ver? Abandonei o primeiro deste ano. Já está. Sem culpas. 

Pode também gostar de...

18 comentários

  1. Eu também já abandonei livros, mas é frequente voltar a eles, uns anos mais tarde, com outros olhos.
    Por exemplo, À Espera no Centeio, de Salinger foi um desses casos. Holden irritou-me ao ponto de não tolerar o livro. Este ano, li e adorei.
    Acredito que há livros que têm um tempo próprio para ler e que esse tempo está intrinsecamente ligado à nossa vida e como estamos nela em determinado momento.

  2. Não sou de abandonar livros. Vou tentado. Com a viagem ao infinito pensei que não ia conseguir. Acho que levei 1 mês e meio a lê-lo. Cheguei a larga-lo enquanto li outro livro mas depois obriguei-me a tentar novamente. Ufa custou mas foi… O livro é horrível. Não gostei. Não faz o meu género.

  3. estou quase a abandonar o segundo livro. tentei mas, admito que o livro não me está a cativar nadinha. o meu problema é que, quando isto me acontece, parece que os restantes lhe seguem o exemplo…

  4. Eu não abandono. Suspendo por tempo indeterminado, e um dia, a coisa dá-se, eu leio, e no fim até posso decidir que afinal gostei, ou não.
    Mas o pior que me está a suceder é reler livros que até apreciei e, de repente, serem do mais aborrecido possível e voltarem para a prateleira, suspensos…não percebo!

  5. O primeiro livro que abandonei foi um adorado por muitos “O Perfume”. Aquilo traumatizou-me tanto que nunca mais voltei a pegar nele. Acho que era demasiado nova. Hoje em dia abandono imensos, acho que é mais por pegar em 3 ou 4 ao mesmo tempo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.