“O JARDIM DAS BORBOLETAS” | DOT HUTCHISON

 

tempImage.jpg

 

Este é o primeiro de uma trilogia intitulada “Coleccionador”. Começa com o pé direito, com fortes indicações de se tornar numa escritora reconhecida no seu meio. E até parece que existe uma disputa entre duas produtoras para a sua adaptação. Certamente um filme arrepiante.

 

Neste livro o nosso vilão adora coleccionar meninas. Assim que chegam ao Jardim, tatua as costas de todas com asas lindas e brilhantes. São violadas, massacradas e depois mortas. Quando mortas são embalsamadas e expostas num corredor no meio de resina. Assustador e macabro. No Jardim vivem um mundo muito próprio e com fracas hipóteses de escapar. Mas uma das raparigas foge e agora é interrogada pela policia.

 

A história é revelada aos poucos. A rapariga interrogada faz questão de contar tudo a conta gotas o que pode criar algum desconforto no leitor. Não via a hora de obter mais informação daquele lugar, o que me fez virar páginas sem parar. Confesso que sou muito ansiosa neste tipo de coisas. Fez-me estar à beira do desespero enquanto prendia a minha atenção. Bela jogada. 

 

Consegui acreditar no que me era contado. É o mais importante numa história tão estranha, não é verdade? Consegui imaginar todos os cenários e ficar enojada em alguns momentos. Certamente que este livro provoca diferentes emoções em diferentes leitores. Eu tive uma experiência de leitura muito irregular. Senti-me envolvida até metade do livro, mas a minha atenção afastou-se em determinados momentos. Tive dificuldade em conectar-me com a história e não gostei muito do final. No entanto, fascinou-me este Jardim com livros como uma espécie de escape. Podem esperar várias referências. 

 

“À noite, o Jardim era um lugar de sombras e luar, onde se podia ouvir com mais clareza todas as ilusões que o transformavam naquilo que era. Durante o dia havia conversas e movimento, às vezes jogos ou canções, e isso disfarçava o som dos canos a transportarem água e nutrientes através dos canteiros, das ventoinhas que faziam circular o ar. À noite, a criatura que era o Jardim largava a sua pele sintética para revelar o esqueleto por debaixo.”

 

A beleza de uma frágil borboleta e a monstruosidade de um homem num thriller que não te vai deixar indiferente. Recomendo.

 

(livro cedido pela editora Suma de Letras)

(estejam atentos, esta semana teremos um passatempo)

 

Pode também gostar de...

3 comentários

  1. Olha, original não é não. Esse livro é um plágio descarado. Tanto na história, quanto no nome e pasmem, até mesmo na capa. Uma amiga minha tava fazendo um livro de enredo policial parecido, e com o mesmo nome e tinha postado o mesmo no wattpad, mas devido a alguns plágios ela excluiu. Eis que logo depois aparece essa autora com o livro totalmente similar ao delas. To divulgando isso porque eu acho uma tremenda falta de respeito. A pessoa passa o tempo dela se dedicando a criar uma história, trabalha no enredo, pra vir um gringa desocupada e mau caráter copiar a obra dela. Então seria legal se o pessoal não apoiasse esse tipo de atitude ao comprar o livro dela. Afinal, ela tá lucrando em cima do trabalho alheio. Aqui o link da autora original explicando a situação https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1491207694332935&set=a.570776503042730.1073741832.100003311567764&type=3&theater

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *