Publicado em Deixe um comentário

“Dentro do Segredo” de José Luís Peixoto – Impressões às primeiras cem páginas

 

 

“Dentro do Segredo” é um livro de viagens, sobre o olhar do próprio autor. Coreia do Norte é o destino. A edição tem uma capa forte, com a figura de um coreano vestido formalmente, com um ar sem nenhuma expressão. O meu interesse foi culpa da capa e do autor. Nunca tive qualquer interesse em ler livros de viagens, excepto este.

 

 

José Luís Peixoto conta tudo na primeira pessoa. O lado politico e histórico, tudo o que aprendeu com a sua viagem. Tudo o que o deixaram ver. Tudo o que o deixaram acreditar enquanto via. Factos interessantes para leigos sobre o país fizeram-me ficar atordoada. Conhecer alguns factos, através de outro olhar, fez-me estar mais perto.

 

 

Senti falta de fotografias. O livro não contém fotos. O lado menos positivo deste livro. A leitura é feita de forma fluida, com uma escrita um pouco diferente do que conheci nos seus outros livros. Mais directa, menos mágica.

 

 

Sinto altos e baixos no meu interesse, passagens informativas depois de momentos repetitivos e chatos. Continuo sem interesse em ler/comprar livros de viagens.

Publicado em Deixe um comentário

José Luís Peixoto

Quando li um livro dele pela primeira vez achei aquilo muito confuso . Não me lembro do título do livro, não me perguntem. Era mais nova, tinha a cabeça cheia de coisas e não consegui acompanhar a sensibilidade da escrita do autor. Não desisti dele, deixei-o para outra idade. Recentemente um amigo emprestou-me o seu livro com frases muito pouco motivadoras: “não percebi nada”, “não gostei”. Demorei um pouco para começar a ler, sempre com uma desculpa qualquer.

 

 

Estou de férias, preciso de entregar o livro emprestado, tenho a cabeça no lugar. Só motivos, antes de ontem abri o livro e mergulhei os olhos na leitura do livro “Livro”. E apesar da história não ser a melhor historia de todos os tempos, a escrita do autor é maravilhosa. As personagens são muito bem construídas, os episódios retratados lembram-me uma infância longínqua, pedaços dos meus avós, expressões dos meus tios. Estou quase a meio do livro e desta vez José Luís Peixoto entrou para o núcleo de autores que pretendo ler tudo. Agora sim, fizemos as pazes.

 

 

Há um tempo, um lugar, uma hora para tudo.