IMG_20170215_121916.jpg

 

Este senhor não sabe escrever um livro mau, nem razoável. Muito menos livros pequenos. 

 

Orhan Pamuk começa a integrar a minha lista de autores preferidos da vida. Um lugar que alcançou apenas com o meu primeiro contacto com a sua escrita em “O Museu da Inocência”. De imediato decidi ler tudo escrito por ele. Assim que os meus olhos bateram neste seu último livro em Portugal na biblioteca, trouxe-o comigo. Um calhamaço de 640 páginas. Com capítulos longos e personagens intermináveis. Melhor de tudo? Acabou, e está quase a sair outro calhamaço pela mesma editora. Eu vou querer ler também. 

 

A forma como Orhan Pamuk escolheu para escrever esta história é bastante interessante. Primeiro conta a história principal, um romance iniciado de forma peculiar e dentro dos costumes de Istambul. Um homem apaixona-se pelo olhar de uma mulher durante uma festa, escreve-lhe cartas durante três anos até que combinam fugir juntos. Mas algo vai acontecer. Tenho lido opiniões no qual devendam este pormenor, ainda bem que não as li antes. O que acontece naquele momento deixou-me de queixo caído. Não posso dizer-vos, mas tenho muita vontade.

 

Achei bestial as voltas que o romance tem logo nas primeiras páginas. E as voltas que o romance tem durante o livro inteiro. Fui apanhada de surpresa várias vezes. Mas nem só de romance vive este livro. Como estava a dizer ele escreveu a história de forma a conhecermos os pontos de vista de todas as personagens ligadas ao romance principal. Ao inicio pode ser um bocadinho estranho, mas depois começa a ganhar fluidez e a história entranha-se. As personagens ganham vida. 

Mevlut é o nosso protagonista. Ele é vendedor de boza. Uma prática muito comum e tradicional em Istambul . Acaba por ser uma prática simbólica e muito importante para explicar o panorama geral vivo no país em relação ao comportamento e desenvolvimento do mesmo. 

 

É um retrato realista de Istambul entre 1969 e 2012. Desde a proibição do aborto, desenvolvimento tecnológico, entrada das mulheres na faculdade. É grandioso. Perturbador também. A nossa realidade é diferente, os choques culturais são inevitáveis. Os costumes e hábitos daquela sociedade não podiam estar mais detalhados. E talvez por isso tenha sentido algum cansaço ao longo da leitura. O livro parecia interminável. 

 

Adorei e recomendo. Sobretudo para leitores sem pressa.